Sábado, 18 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política CPI da Covid será retomada em agosto com novos depoimentos

Compartilhe esta notícia:

Agenda prevê convocação de representantes da Precisa e de reverendo que teria negociado em nome do governo. (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A cúpula da CPI da Covid definiu, em reunião virtual neste domingo (25), um calendário prévio para o retorno dos trabalhos da comissão em agosto, após o recesso parlamentar. A agenda prevê que, na semana da retomada, sejam ouvidos personagens centrais nas negociações de compra de vacinas pelo governo brasileiro.

Os depoimentos devem manter o foco na atuação da Precisa Medicamentos e da Davati Medical Supply, que atuariam como intermediárias para contratos da Covaxin e da Astrazeneca.

O roteiro foi discutido durante reunião por videoconferência, da qual participaram o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM); o vice-presidente Randolfe Rodrigues (Rede-AP); o relator Renan Calheiros (MDB-AL), além dos senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Eliziane Gama (Cidadania-MA), Simone Tebet (MDB-MS), Otto Alencar (PSD-BA) e Humberto Costa (PT-PE).

Na reunião, ficou definido o seguinte calendário:

3 de agosto: votação de requerimentos e depoimento do reverendo Amilton Gomes de Paula, que teria sido autorizado pelo governo a negociar 400 milhões de doses da Astrazeneca com a Davati;
4 de agosto: depoimento de Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos;
5 de agosto: Túlio Silveira, advogado e representante da Precisa Medicamentos.
A Precisa Medicamentos era a intermediária do contrato do Ministério da Saúde com o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina Covaxin. O contrato foi suspenso em junho após denúncias de irregularidades.

Na última semana, a Bharat anunciou o fim do memorando de entendimento com a Precisa. Em resposta, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu a autorização para testes clínicos do imunizante e encerrou a análise do pedido de uso emergencial das doses no Brasil.

Já o reverendo Amilton teria sido autorizado pelo Ministério da Saúde a negociar 400 milhões de doses da vacina da Astrazeneca com a empresa Davati. Essa negociação é alvo de uma denúncia de cobrança de propina, entre outras suspeitas – e até agora, não se sabe nem se a Davati tinha de fato alguma vacina para vender.

Já para a segunda semana de agosto, com data ainda a ser definida, os senadores preveem a oitiva do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR). O nome de Barros teria sido citado por Bolsonaro em reunião fechada sobre as supostas irregularidades no Ministério da Saúde.

A lista de requerimentos a serem votados nessa retomada dos trabalhos deve ser definida em uma nova reunião, convocada para esta semana. Durante o recesso parlamentar, técnicos da CPI têm trabalhado para analisar os quase 2 terabytes (2 mil gigabytes) que já foram recebidos.

A ideia é que os coordenadores de cada núcleo de investigação – são sete, ao todo – indiquem os próximos passos necessários, que podem incluir quebras de sigilo ou novas convocações, por exemplo.

Próximas semanas

Também em reunião neste domingo, os senadores rascunharam um calendário para o mês de agosto conforme as diferentes linhas de investigação. A ideia é criar um foco distinto para cada semana de trabalhos:

Primeira semana: Precisa Medicamentos e Davati
Segunda semana: Ricardo Barros e a empresa VTCLog
Terceira semana: disseminação de fake news ligadas à Covid
Quarta semana: gestão dos hospitais federais do Rio de Janeiro
Entre o final de agosto e o início de setembro, os senadores devem se debruçar sobre a possibilidade de ouvir novamente alguns dos depoentes que já compareceram à comissão.

“Temos a ideia de ouvir de novo algumas pessoas, como o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e o então secretário-executivo da pasta, Elcio Franco”, afirmou o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues.

Ainda de acordo com o senador, também podem ser novamente convocados o ex-diretor de Logística do ministério Roberto Dias e a secretária de Gestão do Trabalho da pasta, Mayra Pinheiro.

“Teremos uma última semana de agosto com reconvocações e, aí, caminhamos para o fim. Avalio que em meados de setembro temos um relatório”, disse Randolfe.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

“Se eu estivesse coordenando a pandemia, não teria morrido tanta gente”, afirma Bolsonaro
Fabrício Queiroz posta foto com Bolsonaro e aliados e reclama de abandono
Deixe seu comentário
Pode te interessar