Quarta-feira, 08 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Delegado da Polícia Federal do Brasil é eleito vice-presidente da Interpol nas Américas

Compartilhe esta notícia:

Valdecy Urquiza obteve 55,8% dos votos e venceu o delegado colombiano Jorge Luis Vargas Valencia. (Foto: Reprodução/Twitter)

Um delegado da Polícia Federal do Brasil foi eleito vice-presidente das Américas para o Comitê Executivo da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), nesta quinta-feira (25), em Istambul, na Turquia. Valdecy Urquiza é o primeiro brasileiro a assumir o cargo.

O mandato dele é de três anos. O comitê executivo é responsável por traçar as estratégias da Interpol, definir o orçamento e escolher o secretário-geral, um cargo com amplos poderes na organização.

Valdecy Urquiza recebeu 55,8% dos votos e derrotou o candidato da Colômbia, general Jorge Luis Vargas Valencia, que é diretor-geral da Polícia Nacional daquele país. Em seu discurso, o brasileiro destacou a importância de uma Interpol “mais democrática, transparente e eficiente”.

Na redes sociais, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, comemorou a eleição de Valdecy Urquiza.

“Fato inédito para o governo brasileiro, fruto de esforço conjunto do Ministério da Justiça e do Itamaraty no governo Bolsonaro”, disse o ministro Anderson Torres.

Como funciona a eleição

A eleição na Interpol funciona com o sistema de voto único por país. Cada um dos 195 países integrantes da organização pode votar.

O presidente da Interpol tem mandato de quatro anos e ocupa a função em período parcial, de forma não remunerada, a partir de seu país de origem. O estatuto da Interpol concede ao presidente um papel sobretudo honorário. O verdadeiro comandante da organização é o secretário-geral que, atualmente, é Jürgen Stock, reeleito em 2019.

Na mesma eleição, o general Ahmed Nasser Al Raisi, inspetor-geral do Ministério do Interior dos Emirados Árabes Unidos e alvo de denúncias de torturas na França e Turquia, foi eleito em Istambul presidente da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal).

Apesar de o cargo de presidente ser protocolar, vários analistas manifestaram preocupação com a chegada de Al Raisi à presidência da organização. Organizações de defesa dos direitos humanos e legisladores europeus consideram que sua eleição afetará a Interpol.

“Estamos convencidos de que a eleição do general Al Raisi afetaria a missão e a reputação da Interpol”, escreveram a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, e três deputados europeus — inclusive Marie Arena, presidente da subcomissão de Direitos Humanos do Parlamento Europeu.

Várias acusações de tortura foram apresentadas contra Al Raisi nos últimos meses na França, onde fica a sede da Interpol, e na Turquia, país que recebe a assembleia geral da organização deste ano.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Falha no sistema da Anvisa suspende exigência de declaração de saúde para quem chega ao Brasil
Petrobras deve construir 15 novas plataformas de petróleo no Brasil nos próximos quatro anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar