Quinta-feira, 06 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre

Brasil Descendente de japonês está 1 ano na frente em matemática na rede pública

Compartilhe esta notícia:

A conclusão é que existe um "prêmio de ancestralidade" na performance educacional. (Foto: Reprodução)

Crianças descendentes de avós ou bisavós japoneses estão um ano à frente dos de ancestralidade ibérica no aprendizado de matemática nas escolas públicas do Brasil. O fenômeno aparece em pesquisa que usou dados de todas as escolas da rede para investigar como valores culturais são transmitidos nas famílias e qual o impacto da cultura no aprendizado.

Seus autores, os economistas Daniel Lopes, Geraldo Silva Filho e Leonardo Monasterio, adotaram metodologia inédita no país para identificar sobrenomes de origem ibérica, japonesa, germânica, leste-europeia, italiana e sírio-libanesa.

Em matemática, descendentes de ibéricos foram superados pelos de famílias japonesas, germânicas, leste-europeias e italianas, e pelos de famílias mistas em que ao menos um pai não é ibérico. Quando pai e mãe descendem de japoneses, a vantagem em matemática equivale a um ano de aprendizado.

O trabalho estuda os resultados da terceira geração ou acima dela. “São crianças nascidas e criadas no Brasil, sob as mesmas instituições, mas com herança cultural diferente”, diz Leonardo Monasterio, pesquisador do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

A conclusão é que existe um “prêmio de ancestralidade” na performance educacional, diz Geraldo Silva Filho, especialista em políticas públicas e gestão governamental, atualmente no Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira).

Não só a cultura afeta o aprendizado, mas a diferença se amplia do terceiro para o quinto ano, acrescenta Daniel Lopes, do Ipea. Explicar como isso acontece, porém, requer novas investigações, dizem os pesquisadores. Descendentes de japoneses (nikkeis, no idioma asiático) entrevistados citaram como possíveis causas o medo de decepcionar os pais, a obrigação de ir bem, a possibilidade de melhorar de vida e o interesse natural pelos estudos.

Já a professora de matemática e também nikkei Cristina Canto, de 43 anos, cansada de ouvir que “japonês já nasce com facilidade para matemática”, resolveu pesquisar o fenômeno em sua dissertação de mestrado, na USP. “Aprender matemática é como tocar um instrumento ou jogar bola: tem que treinar, demanda esse esforço que o japonês – e o oriental em geral – aceita mais naturalmente”, afirma.

Filha de pequenos comerciantes, Cristina diz que nunca foi cobrada pelos pais, mas sempre teve convicção de que precisava ir bem nos estudos para melhorar de vida. Já seu primeiro filho, hoje com 23 anos, repetia frequentemente que não queria decepcioná-la. A mesma preocupação de Ivete Hiroko Nakagawa, de 60.

“A gente pensava no sobrenome que carrega, na honra da família. Minha mãe só foi até o terceiro ano primário, meu pai até o quarto. Para eles era muito importante nossa educação, porque eles eram humilhados. E a gente estudou para mostrar que eles eram importantes.” Ivete cria a neta, Thais, de 11, com a mesma expectativa: “Nota 8 eu não acho muito boa”.

Um dos novos projetos dos economistas do Ipea e do Inep é correlacionar os sobrenomes com resultados de questionários de competências socioemocionais. Entre as hipóteses estão a de que algumas culturas são menos imediatistas —aceitam esforço e sacrifício no presente para obter resultados no futuro.

Um maior grau de consciência (que envolve disciplina, responsabilidade e autonomia ) também tem sido relacionado a melhor desempenho em matemática em pesquisas internacionais.

Para Silva Filho, um dos motivos pelos quais é importante investigar as causas do “prêmio ancestralidade” é atenuar as desigualdades: “Achar formas para que os de culturas que não se refletem em desempenho escolar consigam compensar a defasagem na escola, para que todos os grupos tenham oportunidades semelhantes”.

Print Friendly, PDF & Email
tags: japoneses

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Investidores temem que a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, coloque em risco a votação da reforma da Previdência
Quais são os países que proíbem o Natal?
Deixe seu comentário
Pode te interessar