Sábado, 11 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Mostly Cloudy

Economia Dia dos Pais deve movimentar 345 milhões de reais no comércio gaúcho

Compartilhe esta notícia:

Queda dos preços das roupas puxaram a inflação para baixo na Capital gaúcha (Foto: AE)

O comércio do Rio Grande do Sul deve movimentar um total de 345 milhões de reais com a compra de presentes para o Dia dos Pais, segundo a AGV (Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo). O valor é equivalente ao registrado no mesmo período do ano passado. “O desempenho mensal do setor tem uma dependência relativa do funcionalismo. A dificuldade de saneamento da folha de pagamento do Estado vai trazer reflexos no volume de negócios para a data, mas também carrega um lado emocional muito forte, o que faz com que as compras aconteçam”, afirmou o presidente da entidade, Vilson Noer, referindo-se ao parcelamento dos salários dos servidores.

Conforme dados do levantamento feito pela entidade para descobrir a intenção de compra dos consumidores para a data, celebrada no próximo domingo (08), 84% dos gaúchos pretendem presentear os pais. Para Noer, a data é decisiva para a recuperação das vendas e é uma grande oportunidade para os lojistas fidelizarem seus clientes.

Entretanto, os filhos gaúchos estão um pouco mais comedidos neste ano, pois 45,8% dos entrevistados gastarão entre 90 reais e 100 reais com o presente, enquanto, no ano passado, o tíquete médio era de 110 reais. Dos entrevistados, 26,9% informaram que também darão presentes para o marido, 11,5% vão agradar o sogro e 7,7% darão um “mimo” para o irmão.

O levantamento indicou que apenas 29,2% das pessoas afirmaram já ter comprado o presente, enquanto 41,7% dos consumidores projetavam ir às compras na primeira semana de agosto, e 16,7% irão às lojas na véspera da data. A maioria dessas pessoas (56,5%) deve ir às lojas de rua. Os estabelecimentos situados em shoppings estão na vice-liderança, sendo o local de preferência de 30%. Repetindo 2014, as roupas lideram as intenções de compra, com 50%, seguidas de sapatos, com 29,2%, e perfumaria, com 16,7%. O preço, a qualidade do produto e o atendimento são destacados como prioridades para definir a compra.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Zimbábue adia julgamento do organizador da caça ao leão Cecil
Vice-presidente da República cobra “responsabilidade” de senadores e diz que “momento é grave”
Deixe seu comentário
Pode te interessar