Segunda-feira, 14 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Clear

Brasil Dólar cai para 5 reais e 22 centavos, menor cotação em quase quatro meses

Compartilhe esta notícia:

A divisa recuou 3,75% nesta primeira semana de maio. (Foto: EBC)

Influenciado pelo otimismo doméstico e externo, o dólar comercial teve nesta sexta-feira (7) mais um dia de queda e encerrou a sexta semana seguida de recuo. Já a Bolsa de Valores registrou a terceira alta seguida e aproxima-se do recorde registrado no início do ano.

A moeda norte-americana encerrou o dia vendido a R$ 5,229, com recuo de R$ 0,049 (-0,93%). A cotação chegou a iniciar o dia em alta, subindo para R$ 5,29 por volta das 9h30min, mas começou a cair ainda durante a manhã. Na mínima do dia, por volta do meio-dia, atingiu R$ 5,20.

O dólar está em seu menor valor desde 14 de janeiro, quando tinha fechado a R$ 5,21. A divisa recuou 3,75% nesta primeira semana de maio e, com o desempenho de hoje, acumula valorização de apenas 0,77% em 2021.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela euforia. O índice Ibovespa, da B3, fechou a sexta-feira aos 122.038 pontos, com alta de 1,77%.

Além de influenciado pelo desempenho do mercado externo, o indicador foi beneficiado pela valorização das commodities (bens primários com cotação internacional) e pela divulgação de balanços de empresas que apontaram que as companhias com ações na bolsa estão se recuperando da pandemia de covid-19.

Mais dois fatores contribuíram para o otimismo no mercado financeiro. O primeiro foi a indicação do Banco Central de que deverá aumentar a taxa Selic (juros básicos da economia) para 4,25% ao ano na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em junho. Taxas mais altas tornam o Brasil mais atrativo para capitais estrangeiros, diminuindo a pressão sobre o dólar.

O segundo fator foi a divulgação de que os dados de emprego nos Estados Unidos divulgados hoje. Os indicadores vieram menores que o esperado, diminuindo as expectativas de que o Federal Reserve (Banco Central norte-americano) aumente os juros da maior economia do planeta antes do esperado.

Imposto de Renda

A três semanas do fim do prazo, quase metade dos contribuintes ainda não acertou as contas com o Imposto de Renda. Até o momento, 18.277.068 contribuintes enviaram a declaração do tributo para pessoa física, 56% do previsto para este ano. O balanço foi divulgado pela Receita Federal, com dados apurados até as 16h desta sexta.

Neste ano, o Fisco espera receber até 32.619.749 declarações. No ano passado, foram enviadas 31.980.146 declarações.

O prazo de entrega começou em 1º de março e vai até as 23h50min59s de 31 de maio. A data limite foi adiada em um mês para suavizar as dificuldades no recolhimento de documentos impostas pela pandemia de covid-19.

Em abril, a Câmara e o Senado aprovaram projeto de lei que adiaria novamente o prazo para 31 de julho, por causa do agravamento da pandemia. No entanto, na última quarta-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro vetou a proposta, após recomendação da Receita Federal.

O programa para computador está disponível na página da Receita Federal na internet. Quem perder o prazo de envio terá de pagar multa de R$ 165,74 ou 1% do imposto devido, prevalecendo o maior valor.

A entrega é obrigatória para quem recebeu acima de R$ 28.559,70 em rendimentos tributáveis em 2020. Isso equivale a um salário acima de R$ 1.903,98, incluído o décimo terceiro.

Também deverá entregar a declaração quem tenha recebido rendimentos isentos acima de R$ 40 mil em 2020, quem tenha obtido ganho de capital na venda de bens ou realizou operações de qualquer tipo na Bolsa de Valores, quem tenha patrimônio acima de R$ 300 mil até 31 de dezembro do ano passado e quem optou pela isenção de imposto de venda de um imóvel residencial para a compra de um outro imóvel em até 180 dias.

Assim como no ano passado, serão pagos cinco lotes de restituição. Os reembolsos serão distribuídos nas seguintes datas: 31 de maio (primeiro lote), 30 de junho (segundo lote), 30 de julho (terceiro lote), 31 de agosto (quarto lote) e 30 de setembro (quinto lote). As datas não mudaram, mesmo com o adiamento do prazo de entrega da declaração.

Dentre as principais novidades nas regras deste ano, está a obrigatoriedade de declarar o auxílio emergencial de quem recebeu mais de R$ 22.847,76 em outros rendimentos tributáveis e a criação de três campos na ficha “Bens e direitos” para o contribuinte informar criptomoedas e outros ativos eletrônicos.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Tribunal de Contas da União questiona o governo federal sobre risco de paralisação da máquina pública no ano que vem
Cesta básica ficou mais cara em 15 capitais brasileiras no mês de abril
Deixe seu comentário
Pode te interessar