Domingo, 25 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Cloudy

Acontece Em meio à crise no setor editorial, empresa gaúcha cresce 57,55% ao ano

Compartilhe esta notícia:

Maribel, Carolina e Camila encontraram um nicho no mercado editorial empresarial

Foto: Carlos Macedo/Divulgação
Maribel, Carolina e Camila encontraram um nicho no mercado editorial empresarial. (Foto: Carlos Macedo/ Divulgação)

Em uma época em que livrarias fecham as portas e editoras amargam com a queda na venda de livros, a editora gaúcha Palavra Bordada encontrou uma fórmula para virar a página da crise.

Especializada em obras personalizadas, a empresa tem crescimento médio anual de 57,55% e tem conquistado grandes empresas brasileiras. Por conta da demanda por livros especiais, um nicho garimpado pela editora, a projeção é de que o faturamento de 2020 seja de pelo menos R$ 300 mil.

Liderada por três mulheres, a marca iniciou no mercado em 2015 e faz trabalhos para clientes de estados como Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais e Bahia.

A partir deste ano, deve ampliar os contratos pelo país e prevê aumentar o número de colaboradores. Também estão no projeto de expansão a criação de uma sede própria, com um núcleo de produção de conteúdo, e a implantação e comercialização de livros dos clientes, consolidando uma nova metodologia de vendas.

De acordo com a empresária e jornalista Carolina Argenti Rocha, a explicação para a empresa avançar num mercado em crise está relacionada ao nicho escolhido e a um novo modelo de negócios.

A Palavra Bordada trabalha com projetos personalizados a partir de histórias institucionais e memórias pessoais e faz o trabalho completo de produção de um livro, centralizando todas as etapas na empresa. Marcas como Hospital Moinhos de Vento, InBetta, Pmweb, Sicredi União Metropolitana RS, Rasen Bier, Sogipa e União Israelita já tiveram livros produzidos com o selo da Palavra Bordada.

“A centralização das etapas faz com que tenhamos um perfil financeiro otimista e nos dá projeção para números melhores no futuro”, explica Maribel Lindenau, gestora e uma das sócias.

Ao lado da historiadora e designer Camila Provenzi, as sócias Carolina e Maribel pensam no projeto editorial dos livros como um todo. A área de produção de conteúdo faz entrevistas, pesquisas, coletas de imagens e passa longas horas ouvindo histórias.

Todos os passos do nascimento das obras são acompanhados, e a Palavra Bordada também presta consultoria na hora do lançamento dos livros e auxilia na divulgação. A produção de relatórios, projetos gráficos, diagramação e projetos editoriais são serviços que ampliam a receita da editora, assim como a transformação de alguns livros em projetos digitais.

“Nenhum livro é igual ao outro, são todos pensados de acordo com o objetivo do cliente e com a história. Fazer um livro é manter memórias”, afirma a jornalista Carolina, que já trabalhou como repórter de importantes jornais.

Os livros da Palavra Bordada levam em média nove meses para ficarem prontos. Durante esse tempo de trabalho, o grande diferencial é o olhar sensível das editoras para as histórias contadas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Sociedade é convocada a propor desafios e soluções para o turismo em áreas naturais
Unisinos promove o TEDMEDLive2020
Deixe seu comentário
Pode te interessar