Domingo, 05 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Armando Burd Espera sair do sufoco

Em reunião com as bancadas aliadas na Assembleia Legislativa, ontem, o governo pediu para adiar, mais uma vez, a votação do que resta do pacotão. Alega não ter pressa e vai esperar a aprovação pelo Congresso do regime de recuperação fiscal dos estados, que suspende por três anos o pagamento de dívidas com a União. O projeto de lei complementar que trata do tema entrará na pauta da Câmara dos Deputados dentro de uma semana.
A proposta também autoriza os estados em situação de insolvência a obter empréstimos, o que hoje é impedido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Quando os governos ultrapassam o limite de endividamento estipulado pela lei, ficam proibidos de fazer novas operações de crédito.
O governo do Estado se equivoca ao imaginar que a reabertura da torneira dos bancos não estará acoplada ao corte de despesas contidas no pacotão.

TEM HISTÓRICO

Março não será nada fácil para o governo do Estado. Com estimativa de arrecadação baixa e com aumentos salariais, o governo volta a pensar em adotar medida discutida em dezembro: estabelecer teto de pagamento dos salários do funcionalismo por meio de escalonamento dos vencimentos dos que ganham acima de determinada faixa.
Esta noticia é de 7 de março de 2007. Prova de que os sinais vinham sendo dados há bastante tempo, mas com pouca percepção.

FAIXA PRÓPRIA

O diretório nacional do PC do B começará a debater, no final deste mês, sobre a sucessão presidencial. O deputado estadual Juliano Rosso defenderá a candidatura de Aldo Rebelo. O apoio ao PT deixou de ser a primeira opção.

ABANDONO

Com raras exceções, as estações rodoviárias no Interior do Estado andam em situação lamentável. Muita sujeira e mau cheiro. O DAER deveria manter um placar sobre a qualidade dos serviços. Os concessionários, que são pagos pelos usuários, têm contratos que não incluem o desleixo.

CAPITAL DO EXAGERO

Mesmo que o Carnaval tenha terminado, em Brasília insistem com a velha marchinha em nova versão: o cordão dos apadrinhados cada vez aumenta mais.
A mesa diretora da Câmara dos Deputados planeja contratar mais funcionários de confiança. Considera insuficiente o número total de servidores que chega a 14 mil e 916.
A velha política resiste, apegada aos mecanismos ultrapassados de benesses, acomodações e mordomias.

GRANDE NEGÓCIO

Vai longe, do Oiapoque ao Chuí: a cada 10 beneficiários do INSS, seis estão endividados por meio do desconto em folha. As instituições financeiras festejam, porque o retorno é super garantido. A conta total atinge 102 bilhões de reais.

COM EXPERIÊNCIA

André Palácio volta à coordenação da bancada estadual do PSDB, cargo que exerceu entre 2007 e 2008. Tucano desde 1992 e formado em Administração Pública, assessorou Adroaldo Streck, Yeda Crusius e Adilson Troca.

DINHEIRO ROLOU

O presidente Gilmar Mendes declarou, ontem, em São Paulo, que todo o Tribunal Superior Eleitoral ficou surpreso com o volume de caixa 2 na última campanha ao Palácio do Planalto. O que diremos nós, aqui, da planície?

RÁPIDAS

* O PDT arruma as malas. Até o final de abril, deixará a base de apoio ao governo Sartori.

* Os demais estados têm olhado pouco para Goiás. Em silêncio, os seus índices de desenvolvimento se aproximam da China.

* Na Política, o sábio, quando não tem o que dizer, fica calado. Os demais têm ataques de verborragia.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Armando Burd

Governo acaba com ilusão da Lei Kandir: “Não existe compensação de perdas do passado”
Serraglio no Senado
Deixe seu comentário
Pode te interessar