Quarta-feira, 17 de abril de 2024

Porto Alegre
Porto Alegre, BR
19°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Exercício reduz em até 80% os níveis da proteína ligada ao Parkinson

Compartilhe esta notícia:

Cientistas observaram que a irisina, secretada no sangue durante exercícios de resistência, reduz também os problemas de movimento muscular. (Foto: Pexels)

Pesquisadores da Johns Hopkins Medicine e do Dana Farber Cancer Institute, em Boston, encontraram uma possível esperança para o Parkinson, doença neurodegenerativa, sem cura que afeta mais de um milhão de pessoas só nos Estados Unidos. Os cientistas observaram que um hormônio, irisina, secretado no sangue durante exercícios de resistência, ou aeróbicos, reduz os níveis de uma proteína ligada à doença e interrompe os problemas de movimento muscular.

O estudo, até o momento, foi realizado apenas em camundongos. Entretanto, se confirmado em pesquisas laboratoriais e ensaios clínicos adicionais, a pesquisa pode abrir caminho para uma terapia da doença de Parkinson baseada no hormônio irisina. Os resultados do teste foi publicado no final de agosto na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

As mentes por trás do estudo são dos pesquisadores Ted Dawson da Johns Hopkins Medicine, e Bruce Spiegelman da Dana Farber. Para testar os efeitos da irisina na doença de Parkinson, as equipes dos dois cientistas começaram com um modelo de pesquisa usado por Dawson no qual células cerebrais de camundongos são projetadas para espalhar pequenas fibras finas de alfa-sinucleína, uma proteína que regula o humor e os movimentos relacionados ao cérebro neurotransmissor dopamina.

Quando as proteínas alfa-sinucleína se juntam, esses aglomerados matam as células cerebrais produtoras de dopamina, um dos principais gatilhos da doença de Parkinson. No modelo de laboratório, os pesquisadores descobriram que a irisina impediu o acúmulo de alfa-sinucleína e a morte de células cerebrais associada.

Em seguida, os pesquisadores injetaram alfa-sinucleína em uma área do cérebro de camundongos, projetados para apresentar sintomas semelhantes aos de Parkinson, chamada estriado, onde os neurônios produtores de dopamina se estendem. Duas semanas depois, os pesquisadores injetaram um vetor viral, que aumentou os níveis sanguíneos de irisina nos camundongos.

O resultado foi colhido cerca de seis meses depois. Os camundongos que receberam o hormônio não apresentaram déficits de movimento muscular, enquanto aqueles injetados com placebo apresentaram déficits na força de preensão. A irisina reduziu os níveis de alfa-sinucleína relacionada à doença de Parkinson entre 50% e 80%.

“Se a utilidade da irisina se concretizar, podemos imaginá-la sendo desenvolvida em uma terapia de genes ou proteínas recombinantes”, afirma Dawson.

Parkinson

Estima-se que 1% da população mundial acima dos 65 anos convive atualmente com a doença e atinge 8 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, acredita-se que 200 mil pessoas foram diagnosticadas com a enfermidade. O tema é preocupante devido ao envelhecimento crescente da população, que aumentou cerca de 16% nos últimos cinco anos, segundo dados do IBGE.

Os sintomas mais frequentes são tremores, rigidez nos músculos, lentidão nos movimentos e alterações na fala e na escrita. Além disso, pessoas com Parkinson podem apresentar sintomas não motores, como dores, cansaço, depressão, insônia, alteração de memória e tontura, entre outros. As informações são do jornal O Globo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Nasa diz que são maiores as chances de colisão de meteoro com a Terra
Varíola dos macacos: Brasil corre para criar uma vacina própria; entenda
https://www.osul.com.br/exercicio-reduz-em-ate-80-os-niveis-da-proteina-ligada-ao-parkinson/ Exercício reduz em até 80% os níveis da proteína ligada ao Parkinson 2022-09-13
Deixe seu comentário
Pode te interessar