Quinta-feira, 09 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
11°
Fair

Mundo Existem sinais preliminares de que as crianças podem não disseminar o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Alguns médicos acreditam que é mais difícil as crianças serem contaminadas pelo coronavírus. (Foto: Reprodução)

Existem sinais preliminares de que as crianças podem não disseminar o novo coronavírus tanto quanto os adultos, disseram dois importantes epidemiologistas nessa terça-feira (19), mas alertando que a má notícia é que a imunidade humana pode não durar muito tempo.

Enquanto Europa e Estados Unidos tentam voltar ao trabalho após a primeira onda letal do surto do coronavírus, líderes mundiais se esforçam para decidir quando é seguro para crianças e estudantes retomarem os estudos.

Os sinais são de que as crianças podem não transmiti-lo tanto quanto os adultos, disse a doutora Rosalind Eggo, que integra comitês que aconselham o governo do Reino Unido em sua reação à doença, a membros da Câmara Alta do Parlamento.

“Achamos que as crianças têm menos probabilidade de pegá-lo por enquanto, mas não é algo certo, estamos muito certos de que as crianças têm menos probabilidade de sofrer consequências graves e há indícios de que as crianças são menos infecciosas, mas não é algo certo”, disse Eggo, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

John Edmunds, integrante do Grupo Científico de Aconselhamento para Emergências, disse ao comitê de ciência da Câmara dos Lordes que surpreende o fato de as crianças não desempenharem um papel importante na proliferação do coronavírus.

“É incomum que crianças não pareçam desempenhar um papel importante na transmissão, porque na maioria dos vírus e bactérias respiratórios elas têm um papel central, mas nisto não parece que têm”, disse Edmunds, professor da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

“Só existe um surto documentado associado com uma escola – o que é incrível.”

Mas ele acrescentou que uma possível má notícia é que a imunidade humana ao novo coronavírus pode não durar muito tempo.

Nova inflamação

A OMS (Organização Mundial da Saúde) emitiu um comunicado na última sexta-feira (15) alertando que equipes médicas fiquem atentas a uma nova inflamação misteriosa que está afetando crianças e adolescentes e pode estar ligada ao novo coronavírus.

A doença, chamada de síndrome multi-inflamatória, é parecida com a síndrome de choque tóxico. Segundo a OMS, é grave, requer cuidados intensivos e pode ser fatal. Os sintomas incluem alergia, problemas cardíacos, problemas de coagulação no sangue, vômito, diarreia e dor abdominal.

O nome provisório da doença, proposto por alguns pesquisadores, é PIMS-TS, sigla para o nome em inglês, que seria “Síndrome Pediátrica Inflamatória Multisistêmica Temporariamente Associada ao SARS-CoV-2”.

Análises preliminares de médicos indicam que a doença surge em pessoas entre 0 e 19 anos que foram expostas ao covid-19.

A OMS alertou que médicos ao redor do mundo devem mandar com urgência dados coletados para ajudar pesquisadores a entenderem a doença e desenvolverem um tratamento.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

A United Airlines disse que tem visto uma melhora moderada na demanda por viagens aéreas
Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, está monitorando a quantidade de recursos que os governos de 168 países estão investindo contra o coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar