Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

#coronavírus Fábrica que produz vacina de Oxford no Reino Unido é esvaziada após receber pacote suspeito

Compartilhe esta notícia:

Polícia bloqueia acessos ao distrito industrial de Wrexham, no norte do País de Gales. (Foto: Reprodução)

Uma das fábricas que produz a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e a AstraZeneca em Wrexham, no norte do País de Gales, foi parcialmente esvaziada nesta quarta-feira (27), após receber um “pacote suspeito”, disse a companhia em um comunicado oficial.

“Após o conselho de um especialista, retiramos as pessoas do local enquanto aguardamos uma investigação completa”, disse em nota a Wockhardt UK. A empresa é uma das responsáveis por envasar e armazenar o imunizante no Reino Unido.

A polícia galesa confirmou que houve um “incidente em andamento” no complexo industrial de Wrexham e isolou a área. O esquadrão antibombas foi enviado para o local e as autoridades pediram que a região fosse evitada.

O pacote suspeito foi retirado do local e é analisado pela polícia científica. Os trabalhadores voltaram ao trabalho e, segundo a Wockhardt UK, não houve atrasos na produção.

A fábrica da Wockhardt UK, em Wrexham, tem a capacidade para envasar cerca de 300 milhões de doses da vacina de Oxford por ano.

Plano Nacional de Imunização

O Plano Nacional de Imunização (PNI) do governo federal, que tem a vacina de Oxford em sua base, terá quatro fases, de acordo com o Ministério da Saúde.

Na primeira fase, serão vacinados trabalhadores da área de saúde, pessoas com 75 anos ou mais, pessoas de 60 anos ou mais que viviam em instituições como asilos, população indígena em terras demarcadas aldeadas, povos e comunidades tradicionais ribeirinhas. Na segunda fase, serão vacinadas pessoas de 60 a 74 anos, e na terceira, pessoas com comorbidades.

Uma série de categorias será contemplada entre os grupos prioritários, mas a definição de sua fase de imunização dependerá da disponibilidade de vacinas. São eles: trabalhadores da educação e de outros serviços essenciais (forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema carcerário, trabalhadores de transporte coletivo etc.), populações quilombolas, população privada de liberdade e pessoas em situação de rua.

Vacinas descartadas

Funcionários de uma Clínica da Família localizada na Zona Oeste do Rio de Janeiro denunciaram que ao menos cinco doses da vacina de Oxford/AstraZeneca serão descartadas nesta quarta-feira por falta de uso e outras doses podem ficar inutilizadas nos dias correntes. O motivo é a ausência de público para a vacinação, já que apenas profissionais de saúde com 60 anos ou mais podem ser vacinados com o imunizante britânico neste momento.

Cada frasco do imunizante do Reino Unido é capaz de vacinar até dez pessoas. Uma vez aberto, o material precisa ser usado em até seis horas ou perde a validade. Um profissional, que preferiu não se identificar, relatou que, até as 13h20 desta quarta-feira, apenas cinco pessoas tinham ido à unidade de saúde para serem vacinadas. Para complementar o uso deste único frasco da vacina, outras cinco pessoas precisariam comparecer ao local.

“Está todo mundo revoltado aqui. Nossa orientação é para não dar a dose para o próximo da fila, que seriam os idosos que não são profissionais da saúde. Recebemos a ordem de jogar fora”, disse o funcionário da clínica.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de #coronavírus

A União Europeia ameaçou impor controles mais rígidos na exportação de vacinas da AstraZeneca-Oxford e da Pfizer enquanto o contrato de fornecimento não for cumprido
O presidente da Rússia celebra a extensão do acordo nuclear com os EUA, mas alerta para a degradação do sistema de segurança global
Deixe seu comentário
Pode te interessar