Quarta-feira, 15 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Brasil Governador de São Paulo se movimenta para substituir Bolsonaro em 2022

Compartilhe esta notícia:

Governador referiu-se aos filhos do presidente Bolsonaro em reunião do PSDB em São Paulo. (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Em convenção nacional realizada na sexta-feira (31), o PSDB elegeu novo presidente e formalizou as mudanças por que vem passando desde as eleições do ano passado. A derrota acaçapante da candidatura presidencial do ex-governador Geraldo Alckmin e o triunfo do ex-prefeito da capital João Doria na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes selaram uma nova fase na vida do partido – que foi punido pelo eleitorado e saiu das urnas menor do que entrou.

Colhida pela onda bolsonarista, a sigla, que se apresentava como opção mais ao centro do espectro político, perdeu força e viu crescer o apelo de posições mais à direita, em particular no pleito paulista. Ao perceber para onde os ventos sopravam, Doria, que já prometia linha-dura na segurança e mostrava-se fervoroso crítico do PT, não hesitou em dar novos passos para associar sua imagem à do então presidenciável Jair Bolsonaro.

Chegou, nesses esforços, a ver-se repelido numa incursão ao Rio de Janeiro com objetivo de encontrar-se com o candidato do PSL. Ao final da disputa, a guinada à direita foi recompensada e o novo governador tornou-se a figura de proa de seu partido. De olho na próxima etapa, a corrida presidencial de 2022, Doria sabe que desta vez Bolsonaro estará do outro lado.

Tratou, portanto, nos últimos meses, de ajustar rumos e lançar as bases para uma possível aliança eleitoral de centro-direita. Convidou integrantes do governo de Michel Temer (MDB) para suas secretarias, passou a marcar posições em contraste com algumas medidas anunciadas por Bolsonaro e tem mantido boa relação com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Dessa maneira, Doria vai articulando em torno de si representantes de partidos tradicionais que já foram aliados do PSDB em outras ocasiões. Não por acaso, nomes de peso do MDB e do DEM, como o ex-senador Romero Jucá (RR) e o próprio Maia, estiveram presentes à convenção tucana.

Como esperado, comemorou-se no evento a vitória de um aliado do governador para a presidência nacional da sigla – o ex-deputado federal e ex-ministro das Cidades (2016) Bruno Araújo (PE), 47. Apesar das previsíveis divergências e tensões entre os recém-chegados e a velha guarda da legenda, o tom das manifestações de Doria e Araújo foi conciliador. Ambos rejeitaram inclinações para a direita mais radical e reafirmaram que o partido vai seguir linha político-ideológica de centro.

A ver se nos próximos anos o governador conseguirá apresentar resultados administrativos palpáveis – e se concretizará as declaradas intenções agregadoras. Aparentemente obcecado pela conquista da Presidência, Doria já deu mostras de oportunismo político, talento para a autopromoção e descompromisso com promessas de campanha – como a de concluir o mandato na prefeitura.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O Hospital de Farroupilha será referência em traumato-ortopedia para 34 municípios gaúchos
Governador de São Paulo diz que “o maior inimigo de Bolsonaro são os aliados do governo”
Deixe seu comentário
Pode te interessar