Sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Colunistas Dor que não passa: saiba como amenizar os sintomas

Compartilhe esta notícia:

Dor local pode ser descrita como aguda ou lenta, que vai e vem, constante ou latejante. (Foto: Reprodução)

Doenças diferentes tendem a afetar articulações, resultando em sintomas diversos. Podem afetar apenas uma articulação ou múltiplas articulações, evoluindo rapidamente ou piorar ao longo do tempo.

Na artrite, a dor aparece em repouso e melhora quando nos movimentamos. Em inflamações graves pode haver rigidez da articulação afetada acompanhada de edema. A artrite pode aparecer subitamente (aguda) ou no decurso de uma inflamação lenta (crônica) e prevalecer por muito tempo. Um Reumatologista seria o especialista indicado quanto ao aparecimento destes sintomas afim de realização de exames para o diagnóstico.

Outras características que podemos perceber é a dor local que pode ser descrita como aguda ou lenta, que vai e vem, constante ou latejante. Neste caso a tensão muscular e a rigidez nas articulações são as mais comuns. A dor referida apesar de estar sempre presente é dolorida e tende a se mover e variar em intensidade. A dor irradiada se apresenta como um choque que percorre o caminho do nervo, geralmente pela perna ou braço. Esse choque ocorre devido a uma hérnia (canal vertebral) ou tensão de algum músculo e tendão (fora do canal vertebral) que possam comprimir, em algum local, o trajeto do nervo. Sua forma mais comum é uma dor que irradia ao longo do nervo ciático para a parte inferior das costas, glúteos, posterior da coxa, panturrilha e pé.

No caso da fibromialgia a dor é difusa (referida) pelo corpo. Normalmente, o paciente tem dificuldade de definir quando teve início, se ela começou localizada e que depois se generalizou ou que já começou no corpo todo. O paciente sente mais dor no final do dia, mas pode haver também pela manhã. Apesar da característica da dor ser diferente o Reumatologista seria o mais indicado para o diagnostico inicial.

A dor aguda dura geralmente menos de três meses, não é contínua ou regular e surge de repente. A dor crônica é mais duradoura, pode ser contínua, ter períodos regulares ou crises intermitentes, com duração superior a três meses.

A dor facetaria ou síndrome facetaria é uma condição muito comum na coluna vertebral e uma das principais causas de dor crônica. Porém a principal causa é o envelhecimento da articulação que com o passar do tempo pode gerar os famosos bicos de papagaio e e cistos que podem acelerar este processo. Os sintomas variam um pouco de acordo com a região atingida. Quando a degeneração se encontra na região lombar, o paciente pode ter lombalgia mais próximo as nádegas ou em alguma região inespecífica nas coxas. A dor nesses casos se intensifica durante a atividade física e na flexão do tronco. Já quando o problema surge na região cervical, a dor afeta principalmente o pescoço, especialmente quando o paciente olha para cima. Ele também pode reclamar de dores de cabeça frequentes que normalmente são inespecíficos e não causam uma dor irradiada.

A dor irradiada, geralmente é causada por uma hérnia de disco, porém aparecem também na síndrome compartimental, ou seja, o nervo sendo comprimido por um tendão ou músculo devido a uma sobrecarga funcional ou postural. As duas compressões apesar de parecidas possuem suas diferenças. Quando é causada pela hérnia de disco vai apresentar perda de força e dormência além da dor irradiada e quando é causada por um tendão ou músculo normalmente não apresentará perda de força e dormência. Uma referência importante neste caso é saber de onde vem a dor, onde ela começa. Na dor originada na coluna com trajeto especifico podemos pensar em hérnia discal, quando tem início nos glúteos (bunda) pode ser sugestiva de uma compressão tendínea ou muscular. No caso de suspeita de hérnia um Traumatologista de coluna seria o especialista indicado para um primeiro diagnóstico.

Diante de algumas características de dor temos a aguda, a crônica, em queimação, a pontual, a irradiada entre outras. Algumas dessas características podem surgir e seguir sozinhas, porém o mais comum é termos duas ou mais características juntas (ex: dor aguda e irradiada ou dor crônica em queimação).

Qualquer um dos sintomas onde uma patologia seja descartada outros profissionais como o Osteopata e o Fisioterapeuta estarão capacitados para o tratamento das causas dos sintomas.

Entre em contato com a nossa edição e compartilhe sobre o que mais você gostaria de ler por aqui. A sua dúvida é a de muita gente.

Filipe Guerrero Gracia Osteopata DO MRO Br

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Privilégios alarmam interessados na Eletrobras
Fatos históricos do dia 24 de janeiro
Deixe seu comentário
Pode te interessar