Terça-feira, 31 de Março de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Mostly Cloudy

Leandro Mazzini Jair & Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Mandetta. (Foto: Erasmo Salomão/MS)

Quem assistiu na coletiva de ontem a defesa do ministro da Saúde, Luiz Mandetta, sobre o discurso polêmico e controverso do presidente Jair Bolsonaro na noite anterior pode estranhar a surpresa, mas quem acompanha os bastidores do cenário garante: No início do dia, o ministro ensaiou entregar o cargo e avisou que deixaria o cargo à disposição. Bolsonaro deu um ultimato a ele, para escolher entre o DEM e o ministério; e Mandetta escolheu ficar. O ministro, consciente da sua importância no atual processo, engoliu seco o discurso que teve repercussão internacional e praticamente rifou todo o esforço da força-tarefa do ministério. Aliados de Mandetta no Mato Grosso do Sul, consultados, foram importantes na decisão de o ministro permanecer no cargo.

Jogo político

Bolsonaro quer afastar o DEM do Governo – partido de Mandetta, deputado federal licenciado. Começou por tirar Onyx Lorenzoni da Casa Civil – mas o manteve perto, por gratidão como aliado da campanha de 2018.

Bisturi nervoso

Padrinho de Mandetta no ministério, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), rompeu com Bolsonaro. Ele e Mandetta se conhecem há décadas, desde os tempos de faculdade de Medicina no Rio. Ficou brabo ao saber que o aliado decidiu ficar na pasta.

TV desligada

Após a teleconferência de ontem com governadores, Bolsonaro estava possesso com os governadores Wilson Witzel e João Dória. Os chamou de tudo, menos pelo nome.

Tô nem aí

Durante a teleconferência, o ex-BC e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, hoje secretário de Dória, virou as costas para o presidente Bolsonaro. Foi o único na sala.

UTI no plenário

O governador Caiado pediu ao presidente da Câmara de Goiânia, vereador Romário Policarpo (Patriota), que deixe as instalações do Legislativo preparadas para eventual uso pela força-tarefa anti-pandemia do novo coronavírus. A casa tem dois auditórios que podem ser usados para triagem de pacientes e salas que seriam convertidas em leitos. A Câmara doou R$ 2 milhões para o governo comprar um tomógrafo.

Correria

Veja como é tensa a situação na praça com o país parado. Em Muriaé (MG), um empresário procurou a delegacia para fazer B.O. contra fornecedor que decidiu descontar cheque pré-datado antecipadamente, com medo de calote. Outros correram para fazer o mesmo. O cidadão tem R$ 25 mil em cheques pré na praça e pode quebrar.

Federais

Dois federais estão contaminados com coronavírus. Um agente policial do Aeroporto do Recife, e um delegado que voltou de férias da Espanha.

Cadê o navio?

A Marinha e a PF estão perto de cravar o navio que despejou toneladas de piche na costa brasileira, que causaram as manchas nas praias. As investigações continuam.

Turma da latinha

O presidente da Frente Parlamentar Brasileira de Bebidas, deputado Fausto Pinato (Progressistas-SP), enviou carta ao presidente Bolsonaro pedindo que elimine os R$ 5,8 bilhões de incentivos fiscais concedidos às grandes (Coca-Cola e Ambev, entre outras). É dinheiro suficiente para salvar muita gente no País – na saúde e na economia.

Na conta

O dinheiro, a priori, seria para bancar metade dos R$ 11 bilhões do Benefício de Prestação Continuada que sustenta milhões de brasileiros nas classes C e D. Em tempo, o reajuste do BPC aprovado pelo Congresso esbarrou em uma liminar do.. TCU.

Fim de papo

O presidente do STJ, ministro João Noronha, negou há dias recurso da transportadora marítima Easylog, representante no Brasil da gigante suíça Ceva Logistics. A empresa foi condenada na corte superior a pagar dívida de mais de R$ 3 milhões a empresa americana. O processo já dura mais de 13 anos e a conta ainda orbita no débito.

Cangaço moderno

Desde o dia em que sinalizou com uma greve dos enfermeiros em Pernambuco por falta de equipamentos no Instituto de Medicina Legal, a líder da categoria, Ludmila Outtes, tem sido importunada por supostos policiais que batem a sua porta diariamente. Anotou a placa e tiro foto do carro, um Gol branco.

Consciência

Caito Maia, dono da Chillibeans, franquia de óculos e relógios, cancelou evento em um navio na costa paulista no último fim de semana, que contaria com 3 mil colaboradores. Prejuízo de uns R$ 8 milhões. Mas consciente do dever cumprido.

Porta-bandeira

O COI adiou os Jogos de Tóquio para 2021. Mas Bolsonaro empunhou a bandeira e vai entrar desfilando sozinho no Estádio Olímpico. Essa é a leitura que se faz do discurso.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Leandro Mazzini

Falta ação coordenada
Diploma do Mercosul
Deixe seu comentário
Pode te interessar

Leandro Mazzini Republicanos presidenciais

Colunistas Mandetta balança

Leandro Mazzini Diploma do Mercosul

Leandro Mazzini Falta ação coordenada