Terça-feira, 19 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Juros da Selic devem subir acima do previsto pelo Boletim Focus, sinaliza o Banco Central

Compartilhe esta notícia:

Campos Neto afirmou que nunca houve tantos choques de inflação em período tão curto no Brasil. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a taxa básica de juros deve subir acima do previsto pelo Boletim Focus. Segundo Campos Neto, técnicos do BC acreditam em alta assimétrica da inflação em 2022, ou seja, crescimento maior do que esperado pelo Comitê de Políticas Monetárias (Copom).

Atualmente, a Selic está em 4,25% ao ano, mas o mercado financeiro prevê a estabilização da taxa em 6,25% até dezembro , considerado o parâmetro normal para o índice. Os reajustes nos juros acontecem devido à necessidade de segurar a alta da inflação do país.

“Quando o balanço é assimétrico, significa que você tem que elevar os juros acima do que está projetado no Focus“, afirmou Campos Neto, em coletiva de imprensa.

“Como há uma assimetria no balanço de riscos, isso significa que você tem que mirar uma inflação um pouco mais abaixo, tem uma gordurinha por causa da assimetria, você tem que praticar uma política monetária menos estimulativa do que os juros do Focus“, completou Fabio Kanczuk, diretor de Política Econômica do BC.

Roberto Campos Neto ainda rebateu os boatos que o Copom não fez alterações arrojadas na Selic devido à falta de aviso ao mercado. O presidente do Banco Central disse ter tido oportunidade de avisar, mas concluiu que neste momento não seria necessário maiores reajustes.

“Eu só queria enfatizar que eu li alguns comentários de que grande parte da decisão teria sido tomada por não ter comunicado. Queria enfatizar que isso não é verdade, a gente poderia ter comunicado, a gente teve muitas oportunidades para comunicar, mas a gente esperou porque a gente achava que esse debate sobre esses fatores que foram mencionados agora era um debate bastante enriquecedor e ia nos dar um horizonte de atuação mais eficiente”, afirmou.

“Discutimos muito também o tema de o que influencia expectativas em termos da função reação, se é mais a taxa final, o quanto que a velocidade influencia nisso”, completou Campos Neto.

Investimentos

Mudanças mais recentes na Selic fazem investidores avaliarem suas aplicações. Criada em 1999, a Selic é a sigla de Sistema Especial de Liquidação de Custódia, que foi criado para regulação de juros.

Para analistas, a melhor alternativa para investir na renda fixa se encontra, atualmente, em investimentos com títulos pós-fixados. A indicação é buscar títulos que sejam liquidados nos próximos dois ou três anos
Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) também são exemplos de títulos de renda fixa que, no curto prazo, podem se mostrar interessantes ao investidor.

Quando a Selic está alta, quem tem dinheiro guardado em renda fixa ganha mais rentabilidade, porém há diminuição no consumo.

Quando a taxa está em baixa, as opções de empréstimo e compra se tornam mais vantajosas, porém o investimento em renda fixa é desencorajado. Isso faz as pessoas buscarem opções de rendimentos como a Bolsa de Valores.

No entanto, apesar de os aumentos seguidos da Selic apresentarem uma tendência de crescimento gradual da taxa e, com isso, uma volta à valorização dos investimentos de renda fixa, esse cenário ainda não pode ser vislumbrado no momento.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Trabalhadores nascidos em setembro recebem a terceira parcela do auxílio emergencial
Empresas multinacionais retomam investimentos e elevam a entrada de capital no Brasil
Deixe seu comentário
Pode te interessar