Sábado, 30 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fair

Porto Alegre Liminar da Justiça suspende a execução do convênio entre Prefeitura e PUCRS para transferência do setor Materno-Infantil

Compartilhe esta notícia:

Transferência do setor Materno-Infantil da PUCRS para o Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas fica suspensa até que o Conselho Municipal de Saúde se manifeste.

Foto: Divulgação/Simers
Transferência do setor Materno-Infantil da PUCRS para o Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas fica suspensa até que o Conselho Municipal de Saúde se manifeste. (Foto: Divulgação/Simers)

Em decisão divulgada na sexta-feira (22), a 3ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Porto Alegre, atendendo a pedido formulado pelo MPRS (Ministério Público do Estado) em Ação Civil Pública movida com subsídios fornecidos pelo Simers (Sindicato Médico do Rio Grande do Sul), deferiu medida liminar que suspende a execução do contrato que prevê a transferência do setor Materno-Infantil da PUCRS para o HMIPV (Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas) até que haja uma manifestação do Conselho Municipal de Saúde sobre o tema.

A decisão foi tomada pela juíza Andreia Terre do Amaral, com base na ação de autoria do Ministério Público Estadual contra o Município de Porto Alegre, o HSL e a UBEA (União Brasileira de Educação e Assistência) – mantenedora da PUCRS. A transferência, acordada pela Prefeitura – gestora do HMIPV – e pela direção da universidade, foi anunciada em abril passado.

A juíza considerou, em sua decisão, que não foram observadas formalidades legais na assinatura do convênio da Prefeitura com a PUCRS. A ação do Ministério Público se baseou em apontamentos do Simers sobre os prejuízos aos usuários do atendimento de saúde decorrentes da transferência.

Para o presidente do Simers, Marcelo Matias, a decisão do Tribunal de Justiça comprova toda a ação da entidade médica desde o anúncio da intenção de transferência do Setor Materno-Infantil da PUCRS para o HMIPV. “O Simers comemora a decisão da Justiça porque ela possibilita a participação da população, que será diretamente atingida pela decisão e traz transparência ao processo, algo que faltou até agora”, afirmou.

Entenda o caso

No início de março, o Simers e outras entidades médicas tomaram conhecimento da intenção de transferência. Preocupado com a situação das crianças em atendimento na unidade e dos estudantes de Medicina da PUCRS, que utilizam o setor para seu aprendizado, o Simers criou a campanha “SIM Materno-Infantil”. Para a entidade, o fechamento do setor, além de desamparar pacientes, também será prejudicial a médicos, professores, residentes e alunos.

Em abril, a Prefeitura e a PUCRS anunciaram o convênio de transferência. Na ocasião, o Simers considerou que houve “falta de transparência” no processo e voltou a acionar o Ministério Público.

No mesmo mês, o Simers foi impedido de realizar vistoria no HSL e no HMIPV, mesmo com a solicitação da promotora Liliane Dreyer Pastoriz.

O MP ingressou, ainda em abril, na Vara da Fazenda Pública, com a ação civil pública solicitando a suspensão do acordo de transferência do serviço da unidade da PUCRS para o Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas. No dia 28, consentiu expressamente com o ingresso do Simers como assistente na ação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Ministro do Supremo autoriza depoimento de Paulo Marinho em inquérito sobre Bolsonaro
Número de mortes por dia em razão do coronavírus desacelera na Itália
Deixe seu comentário
Pode te interessar