Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

Capa – Caderno 1 A lista tríplice com o nome dos candidatos ao comando do Ministério Público Estadual para o biênio 2017/2019 chegou às mãos do governador José Ivo Sartori

Compartilhe esta notícia:

O documento foi entregue ao governador Sartori nesta segunda-feira. (Foto: Luiz Chaves/Palácio Piratini)

A lista tríplice com o nome dos candidatos ao comando do MPE (Ministério Público Estadual) para o biênio 2017/2019 chegou às mãos do governador José Ivo Sartori, na manhã desta segunda-feira (22). O documento foi entregue ao governador pelo procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Sul, Marcelo Dornelles. A eleição, que pela primeira vez foi toda por meio eletrônico, se encerrou nesse sábado (20).

O procurador Fabiano Dallazen, o promotor Fernando Cesar Sgarbossa e procurador Luiz Henrique Barbosa Lima Faria Corrêa foram os mais votados, nesta ordem. Participaram do processo eleitoral 680 dos 701 membros do Ministério Público Estadual.

Sartori destacou o bom relacionamento entre as instituições e enfatizou o papel “harmonizador” do procurador-geral de Justiça na negociação que resultou no recente acordo que congelou os gastos de todos os poderes. A medida consta na proposta da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentária) 2018, enviada à Assembleia Legislativa.

O governador tem prazo de 15 dias para escolher um dos três nomes da lista para assumir o cargo. A posse do novo procurador-geral de Justiça está marcada para o dia 9 de junho, às 17h. A cerimônia será no auditório da sede do Ministério Público.

Participaram do encontro o vice-governador José Paulo Cairoli e o chefe da Casa Civil, Fábio Branco. Dornelles estava acompanhado pelo subprocurador-geral da Justiça, Paulo Emilio Barbosa, e de representantes da comissão eleitoral.

Após o encontro com Sartori, Dornelles afirmou que acompanha os desdobramentos das delações da JBS e o momento político pela imprensa e com muita preocupação. De acordo com o procurador, a crise “política e ética não cessa”. Porém, no tocante ao Estado, Dornelles declarou que “pelo que se viu, se olha com bastante tranquilidade. As doações feitas aqui no estado foram dentro da regra do jogo, todas declaradas. Todas previstas na legislação eleitoral”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Operador usa um robô para manipular o mercado financeiro do Brasil. A Comissão de Valores Mobiliários investiga práticas de manipulação no valor das ações
Prefeita argentina é denunciada por corrupção pelo próprio pai
Deixe seu comentário
Pode te interessar