Quinta-feira, 30 de junho de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Lula aposta no ex-governador Geraldo Alckmin na cúpula da campanha e busca atrair tucanos

Compartilhe esta notícia:

Ex-governador (E) deve ganhar protagonismo e indicar nomes para a equipe; petista tenta ainda arregimentar apoios no PSDB

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
Ex-governador (E) deve ganhar protagonismo e indicar nomes para a equipe; petista tenta ainda arregimentar apoios no PSDB. (Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende abrir espaço para o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) na cúpula de sua campanha ao Planalto.

A ideia é que o vice na chapa tenha protagonismo, indicando três nomes para a equipe de plano de governo e mais dois nomes para a coordenação política. Além do ex-governador, para reforçar o simbolismo de uma inflexão ao centro, a direção petista quer atrair nomes históricos do PSDB que permanecem filiados ao partido rival.

A ideia é arregimentar o apoio de tucanos que consideram prioridade uma aliança para derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) mesmo que o PSDB mantenha candidatura própria ou se alie ao MDB e apoie oficialmente a senadora Simone Tebet (MS).

A chapa presidencial da aliança PT-PSB foi lançada sem que tenham sido apresentadas propostas claras para um futuro governo que conciliem as diferenças entre petistas e alckmistas. A busca por apoios entre os tucanos seria um meio de afastar a ideia de que o acordo com o ex-governador teria sido algo para “inglês ver”, uma mera aliança personalista.

PT e PSDB formaram a polarização hegemônica no período pós-redemocratização, com divergências principalmente sobre diretrizes econômicas. Lula defende a presença de Alckmin nas decisões da campanha para ter ao seu lado alguém que pense diferente dos companheiros e possa, segundo apurou o jornal Estado de S.Paulo, adverti-los quando estiverem “fazendo bobagem”. De acordo com petistas, o núcleo da campanha terá dois grupos: uma coordenação executiva enxuta e uma coordenação-geral, com líderes de siglas aliadas.

“A expectativa é de que Geraldo tenha protagonismo na campanha, e não será só de fachada”, disse o advogado e coordenador do grupo Prerrogativas, Marco Aurélio Carvalho, que integra o círculo mais próximo de Lula. Este grupo no entorno do petista deve ter, além de Alckmin, Luiz Dulci – que cuidará da agenda do candidato –, a deputada e presidente do PT, Gleisi Hoffmann – coordenadora-geral da campanha –, Edinho Silva e Rui Falcão – que cuidarão da comunicação – e os ex-governadores Wellington Dias e Jaques Wagner, responsáveis pelos contatos políticos. Interlocutores de Alckmin confirmaram conversas com o PT para que ele esteja na cúpula da campanha.

Petistas e alckmistas também buscam atrair integrantes do PSDB que têm peso na opinião pública, acesso aos meios de comunicação e ao mercado. Esses nomes são apontados até como potenciais ministros ou colaboradores de um eventual governo: Aloysio Nunes Ferreira, José Aníbal, Marconi Perillo, Arthur Virgílio, Tasso Jereissati e Rodrigo Maia. Há esperança, ainda, de se contar com o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em um possível segundo turno da disputa presidencial.

Na cúpula petista há um sentimento de resignação: integrantes da pré-campanha contabilizam o desconforto de terem menos espaço numa eventual gestão em troca da governabilidade. Já entre tucanos, além da resistência que veem em seus eleitores, há desconfiança sobre questões econômicas, como o compromisso do PT com responsabilidade fiscal e a divisão de atribuições no poder.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Após menor marca da história em 2021, governo prevê reduzir ainda mais gasto com pessoal
Doria chama acordo com MDB de “golpe” e PSDB convoca reunião para discutir se o mantém na disputa
Deixe seu comentário
Pode te interessar