Terça-feira, 11 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Cloudy

Capa – Caderno 1 Marta é cortada da Seleção Brasileira na estreia da técnica Pia

Compartilhe esta notícia:

A jogadora brasileira sofreu uma lesão na coxa esquerda. (Foto: CBF/Divulgação)

A treinadora Pia Sundhage não poderá contar com a atacante Marta no seu primeiro torneio à frente da Seleção Brasileira feminina de futebol. A competição amistosa será disputada no Pacaembu, em São Paulo, a partir de quinta-feira (29).

Segundo informou a CBF (Confederação Brasileira de Futebol), a jogadora sofreu uma lesão na coxa esquerda durante uma partida no último sábado (24), atuando pelo Orlando Pride (EUA), e foi desconvocada pela comissão técnica nesta segunda-feira (26).

A lesão foi constatada em exames feitos pelo seu clube, na Flórida. Notificada, a CBF optou pelo corte.​ Marta também entrou em contato com o departamento médico da seleção feminina e com a técnica Pia Sundhage, diz a nota publicada pela confederação.

A comissão técnica brasileira ainda não decidiu se convocará outra atleta para o lugar de Marta, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo pela Fifa.

Além de marcar a estreia da nova treinadora da Seleção, o torneio também será o primeiro do Brasil após a derrota para a França nas oitavas de final da Copa do Mundo deste ano.

Copa do Mundo

As americanas confirmaram no dia 7 de julho, após a vitória por 2 a 0 sobre a Holanda, a sua hegemonia no futebol feminino e foram campeãs pela quarta vez da Copa do Mundo feminina. A conquista em Lyon (França) deu aos Estados Unidos 50% dos títulos mundiais disputados até hoje.

Na final, o time de Alex Morgan e Megan Rapinoe (que dividiram a artilharia da competição com a inglesa Ellen White) teve na Holanda, apenas em sua segunda Copa, um adversário aguerrido, mas de nível técnico inferior. Em sete duelos no torneio, a supremacia americana só foi posta em dúvida (e momentaneamente) nas oitavas, diante da Espanha (vitória por 2 a 1), e na semi, contra uma Inglaterra que teve gol anulado (corretamente) e perdeu um pênalti nos minutos finais.

A campanha dos Estados Unidos incluiu uma goleada por 13 a 0 sobre a Tailândia, a maior da história dos Mundiais – ao todo, o time marcou 26 vezes na França. Diante de 58 mil espectadores, no domingo, as americanas partiram para cima desde o começo do jogo, mas, pela primeira vez na França, não conseguiram repetir o feito de abrir o placar antes dos 12 minutos.

Eleita melhor jogadora do torneio (além de artilheira), Rapinoe falou, após a partida, sobre o tema que atravessou entrevistas e toda a cobertura midiática do Mundial francês: a diferença entre salários e premiações de homens e mulheres no futebol.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Membros do partido Novo pedem que ministro do Meio Ambiente seja expulso do partido
Prefeitura de Porto Alegre promete Usina do Gasômetro totalmente revitalizada
Deixe seu comentário
Pode te interessar