Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Ministério da Defesa e Forças Armadas apresentam notícia-crime contra Ciro Gomes por causa de crítica a militares

Compartilhe esta notícia:

Ciro disse que o "narcotráfico é claramente protegido por autoridades brasileiras, inclusive as Forças Armadas". (Foto: Divulgação)

O Ministério da Defesa e as Forças Armadas apresentaram uma notícia crime ao procurador-geral da República, Augusto Aras, contra o pré-candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, por suposto crime de “Incitar, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade”. Segundo a nota divulgada pelo ministério, a motivação da ação foi a entrevista de Ciro à rádio CBN.

Na ocasião, o pré-candidato afirmou que Bolsonaro destruiu construções de comando e controle na Amazônia e que isso transformou a região em uma “holding de crime”. Ciro também afirmou que o “narcotráfico é claramente protegido por autoridades brasileiras, inclusive as Forças Armadas”.

Em nota, a Defesa e as Forças Armadas repudiaram as “irresponsáveis” declarações de Ciro Gomes e afirmaram que as “acusações levianas afetam gravemente a reputação e a dignidade” das instituições.

“Não é admissível, em um estado democrático, que sejam feitas acusações infundadas de crime, sem a necessária identificação da autoria por parte do acusador e sem a devida apresentação de provas, ainda mais quando dirigidas a Instituições perenes do Estado brasileiro”, diz parte da nota, assinada pelo ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, e os comandantes da Marinha, Exército e Aeronáutica.

Segundo a nota, o objetivo da ação é que se apure supostos crimes de “Incitar, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade” e “Propalar fatos, que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das Forças Armadas ou a confiança que estas merecem do público”.

Ao final, o texto reforça as Forças Armadas muito se orgulham de atuar na defesa e na proteção da Amazônia e de realizar, regularmente, ações de combate a ilícitos ambientais e transfronteiriço”.

As declarações de Ciro vieram na esteira da morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips a tiros no Vale do Javari. No domingo, a Polícia Federal (PF) informou que subiu para oito o número de suspeitos de envolvimento com as mortes — três deles já foram presos durante as investigações sobre o caso. De acordo com a polícia, mais cinco homens que ajudaram a ocultar os corpos de Bruno e Dom na mata foram identificados. A polícia, porém, não informou os nomes.

Ciro rebate 

Em nota divulgada nesta sexta-feira (24), Ciro Gomes afirmou ter sido surpreendido com a reação das Forças Armadas. O pré-candidato do PDT disse ainda que a iniciativa da Defesa é uma “ação política” e criticou o ministro da pasta.

“Em nenhum momento, disse que as Forças Armadas, enquanto instituições de estado, estariam envolvidas com essa holding criminosa. Afirmei – e reafirmo – que frente à desenvoltura com que um tipo de estado paralelo age na área, é impossível não imaginar que alguns membros das forças de segurança possam estar sendo coniventes por dolo ou omissão”, escreveu o pré-candidato do PDT.

Ciro Gomes alegou também que exerceu o seu “direito de liberdade de expressão, sem excesso ou qualquer discurso de ódio” e que respeita as Forças Armadas. “Inclusive, afirmei, na mesma entrevista, que os militares são elementos essenciais a um Projeto Nacional de Desenvolvimento, além de ressaltar a importância do fortalecimento das Forças Armadas em um possível governo que eu venha a presidir”, afirmou.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Destaque da semana: presidente da Câmara homenageia o ministro Gilmar Mendes na residência oficial, onde os desafetos Bolsonaro e Alexandre de Moraes têm encontro reservado
Campanha eleitoral terá duração de 46 dias neste ano
Deixe seu comentário
Pode te interessar