Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Destaque da semana: presidente da Câmara homenageia o ministro Gilmar Mendes na residência oficial, onde os desafetos Bolsonaro e Alexandre de Moraes têm encontro reservado

Compartilhe esta notícia:

Bolsonaro e Moraes tiveram conversa reservada no jantar oferecido por Arthur Lira. (Foto: Reprodução)

O jantar que reuniu integrantes dos três Poderes na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PPAL), na última quarta-feira (22), teve um momento inesperado. Lira promoveu ali o encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes para que os dois desafetos da República fizessem a temida ‘DR’ e discutissem a relação.

A reunião era para ser apenas uma homenagem ao decano do STF, Gilmar Mendes, que completou 20 anos na Corte, mas o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) incentivou Lira a aproveitar aquele momento para tentar um armistício. Apesar do gesto, poucos acreditam nos efeitos práticos da conversa.

Logo que chegou ao jantar, Bolsonaro cumprimentou Moraes sob o olhar dos convivas e fez piadas sobre os times de futebol de ambos, Palmeiras e Corinthians. Depois, Lira levou os dois pelo braço até um local mais reservado e os deixou a sós. O diálogo ocorreu no gabinete de trabalho do presidente da Câmara, usado para entrevistas e audiências, ao lado da sala de estar.

“Foi um encontro de distensionamento. O País vive uma escalada em ano eleitoral e isso não é prudente”, disse Orlando Silva.

Já à mesa do jantar, o próprio Gilmar discursou e mandou recados a Bolsonaro, que não fez uso da palavra. O presidente parecia cansado, chegando mesmo a bocejar. Sem reparar nesse detalhe, o magistrado fez uma preleção sobre a experiência que viveu em governos passados, como os de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. Disse que adversários sempre se sentaram à mesa com o objetivo de discutir temas de relevo para o País. Bolsonaro e Moraes, por sinal, estavam sentados em lados opostos.

“Acompanho as suas críticas, e o senhor tem direito de fazê-las, mas é importante ouvir e dialogar também”, afirmou Gilmar, dirigindo-se ao presidente. O ministro também defendeu a atividade política, no momento em que o Centrão articula uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para rever decisões da Corte, sob o argumento que existe no País um ativismo judicial.

“O Supremo devolveu aos políticos a atividade política. A política tinha sido expropriada. Quem estava fazendo política eram juízes”, argumentou o homenageado, numa referência à Operação Lava-Jato.

Lira serviu carne e peixe com alcaparras, acompanhados de taças de vinho tinto. Um dos presentes disse, no entanto, que o cardápio principal era mesmo o “mal-estar” diante do “climão” entre Bolsonaro e Moraes. A noite, porém, transcorreu sem sobressaltos.

Na tentativa de desanuviar o ambiente, Gilmar ironizou o fato de magistrados do STF serem acusados de defensores da esquerda e disse que “um comunista” havia sugerido a recepção em sua homenagem, numa referência a Orlando Silva. “Você, Alexandre, é acusado de ser comunista também”, brincou ele, falando com Moraes.

Quando houve menção de que seria sua vez de falar, Bolsonaro entregou a tarefa ao “terrivelmente evangélico” André Mendonça, ministro indicado por ele para o Supremo. Pastor presbiteriano, Mendonça puxou uma oração.

Participaram do jantar, ainda, ministros de Estado e do Supremo, além do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e de líderes dos partidos nas duas Casas. O ministro do STF Ricardo Lewandowski destacou a conquista da democracia e cobrou respeito às instituições. Bolsonaro costuma atacar magistrados e questionar, sem provas, a segurança das urnas eletrônicas. Moraes será presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante as eleições de outubro.

O encontro entre Bolsonaro e Moraes ocorreu dias após o presidente acusar o ministro de descumprir um acordo firmado entre os dois, em setembro do ano passado, para que pusesse um ponto final no inquérito das fake news. A investigação tem como alvo o presidente, seus filhos e aliados.

Antes do jantar de anteontem, o presidente e o magistrado haviam se avistado rapidamente no dia 9 de maio. Na ocasião, Bolsonaro cumprimentou Moraes, com aperto de mão e “tapinhas nas costas”, em solenidade de posse de ministros no Tribunal Superior do Trabalho.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Advogado de Bolsonaro diz que “Milton Ribeiro está usando o nome do presidente”
Ministério da Defesa e Forças Armadas apresentam notícia-crime contra Ciro Gomes por causa de crítica a militares
Deixe seu comentário
Pode te interessar