Domingo, 17 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
29°
Mostly Cloudy

Brasil Ministro diz que crises não tiram o clima de descontração do governo e que é normal haver discordância de Bolsonaro com Moro

Compartilhe esta notícia:

"Até na nossa família também tem discordância. É normal. E as coisas no governo são muito intensas", disse Jorge Oliveira. (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

“Cara, como você trabalha com aquele maluco?”. A pergunta é feita com frequência a Jorge Oliveira, que comanda a Secretaria-Geral da Presidência da República. Diferentemente dos antecessores, Gustavo Bebianno, hoje rompido com o governo, e Floriano Peixoto, despachado para os Correios, Jorge tem o mais importante para se manter no Palácio do Planalto, a confiança de Jair Bolsonaro.

Seu pai, o capitão do Exército Jorge Francisco, trabalhou com o presidente de 1998 até o ano passado, quando morreu de um infarto. Já Jorge está com a família desde 2003. Quando ganhou a eleição, Bolsonaro o anunciou como subchefe de Assuntos Jurídicos. Seis meses depois, o major da PM se tornou ministro e passou a acumular os dois cargos.

Não acha que ele se expõe muito para um presidente?

“Não tem jeito, é dele. Jair não segue protocolo, não tem visão de liturgia do cargo. Desde quando eu era assessor dele na Câmara, dizia: “Isso aqui não vai cair bem com a população”. Ele responde: “Não tem que cair bem ou mal, é o que eu penso.” Com todos os defeitos, prefiro a sinceridade à falsidade. Se ele não gostou do que você fez, não disfarça. Ele vira e fala: “Poxa, major!” E solta dois palavrões.

Sua relação com o presidente é mais fácil do que a de outros ministros?

“Pelo tempo que temos de convivência, posso compreender melhor uma eventual canelada que ele dê, o momento e a forma de levar certos assuntos”.

Isso se aplica ao ministro Moro, que vem sendo “fritado” pelo presidente?

“Não é uma particularidade do Moro. Isso inclui todas as pessoas que estão conhecendo o presidente agora. Eu não vejo essa “fritura”.

Bolsonaro relatou a diversas fontes que está insatisfeito com Moro.

“Não que não haja discordância. Até na nossa família também tem discordância. É normal. E as coisas no governo são muito intensas. Tem um volume de coisas, de informação, tudo é urgente. O ministro Moro tem uma formação e o presidente tem outra”.

Mas está claro que o projeto anticrime de Moro não é prioridade do governo.

“O pacote do Moro é muito importante, mas temos de ser realistas. Há uma resistência do Parlamento. Dentro da linha de prioridades, como as reformas, atravessarmos com um tema dessa complexidade atrapalha. É uma avaliação política, não do mérito. De repente, uma campanha publicitária sobre o pacote anticrime ou um sinal do governo poderiam incitar a opinião pública contra o Congresso. A pauta do Legislativo é ele quem faz”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

As ameaças de intervenção de Bolsonaro em órgãos de controle e investigação, como a Receita Federal, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras e a Polícia Federal, acenderam o sinal amarelo nessas instituições
Ameaçada de expulsão pelo PDT por ter votado a favor da reforma da Previdência, a deputada Tabata Amaral atribui muitas das críticas que recebeu ao machismo
Deixe seu comentário
Pode te interessar