Sábado, 08 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Mostly Cloudy / Wind

Política Ministro do Supremo Nunes Marques intima o prefeito de Belo Horizonte a cumprir decisão que libera missas e cultos presenciais

Compartilhe esta notícia:

Decisão publicada na madrugada deste domingo (04) prevê "cumprimento imediato" e um prazo de 24 horas para que Kalil "esclareça as medidas tomadas"

Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF
Decisão publicada na madrugada deste domingo (4) prevê "cumprimento imediato" e um prazo de 24 horas para que Kalil "esclareça as medidas tomadas". (Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF)

O ministro Nunes Marques, do STF (Supremo Tribunal Federal), intimou o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), a cumprir “com máxima urgência” a decisão que permite celebrações religiosas presenciais, como cultos e missas.

A intimação foi publicada na madrugada deste domingo (04) e usa como base a publicação de Alexandre Kalil nas redes sociais em que afirma que Belo Horizonte acompanharia o plenário do Supremo e, por isso, os cultos e as missas seguiriam suspensos. Além da postagem, a AGU (Advocacia-Geral da União) também se manifestou dando notícia da determinação do prefeito.

Além do cumprimento imediato, a intimação dá 24 horas para que Kalil esclareça “as providências tomadas, sob pena de responsabilização, inclusive no âmbito criminal, nos termos da lei”.

A Superintendência da Polícia Federal em Minas Gerais foi intimada a garantir o cumprimento da liminar em caso de “resistência da autoridade municipal ou de seus funcionários”.

Por fim, a PGR (Procuradoria-Geral da República) também foi comunicada para “adoção das providências cabíveis”. Na visão de Nunes Marques, é grave uma “declaração pública de uma autoridade de que não pretende cumprir uma decisão” do Supremo Tribunal Federal.

Decisão de Nunes Marques

Em decisão individual tomada na véspera do feriado de Páscoa, Nunes Marques libera cultos e missas em todo o País. Determina, também, que governadores e prefeitos não podem exigir o cumprimento de normas já editadas que barrem a realização de missas, cultos e reuniões de quaisquer credos e religiões.

Na decisão, o ministro também estabeleceu que será preciso respeitar medidas sanitárias como forma de tentar evitar a disseminação do novo coronavírus, entre as quais:

Limitar a ocupação a 25% da capacidade do local; manter espaço entre assentos com ocupação alternada entre fileiras de cadeiras ou bancos; deixar o espaço arejado, com janelas e portas abertas sempre que possível; exigir que as pessoas usem máscaras;
Disponibilizar álcool em gel nas entradas dos templos; aferir a temperatura de quem entra nos templos.

A liberação de cultos e missas no país, mediante medidas de prevenção, ocorre no momento mais crítico da pandemia. Neste sábado (03), Minas Gerais ultrapassou os 25.500 mortos pela Covid-19 e registrou 320 novos óbitos em 24 horas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Em Passo Fundo, dezenas de pessoas já foram autuadas em festas clandestinas neste feriadão
Facebook: dados de 533 milhões de usuários são vazados na internet
Deixe seu comentário
Pode te interessar