Quarta-feira, 08 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Light Rain

Bem-Estar Mulheres comuns ficam famosas e ricas após colocarem seus vídeos no YouTube

Compartilhe esta notícia:

Bruna Vieira faz sucesso na internet. Crédito: Reprodução

Elas postam um vídeo no YouTube e boom! Em poucas horas, mais de 100 mil visualizações. Em alguns dias, chegam a milhões de acessos. As donas do YouTube conquistaram a internet falando do dia a dia. “O Que Vivi no Tinder”, “Cinco Tipos de Babacas”, “Os Aplicativos Secretos de Fotografia das Blogueiras”, “Competição Feminina”. Os nomes dos vídeos já entregam: elas bombam nas redes sem papas na língua. Falam o que pensam e cativam um público fiel.

“Entra aí, gente!”, convida Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, ao receber a reportagem em sua casa. Cabelo preso, roupas de ficar em casa, chinelo e nenhuma maquiagem: assim como aparece em seus vídeos, natural e espontânea, a jovem de 23 anos é descontraída quando fala. “Eu via algumas meninas lá fora que faziam vídeos do tipo que eu gostava e ficava pensando que eu faria isso bem. Aí resolvi tentar”, conta ela.

Deu certo. Em um ano, a ex-estudante de jornalismo (“Inventava todas as reportagens que eu tinha que fazer para a faculdade”) ganhou muitos fãs com seu jeito direto. “Acho que, quando eu falo, por mais que eu me exponha, na verdade, eu estou expondo coisas que todo mundo passa, sabe?”, diz ela, que fala sobre todo e qualquer assunto.

“Outro dia, estava assistindo a uma matéria sobre mim na TV, no domingo, com a família. Aí apareceu um trecho de um vídeo meu falando ‘masturbação feminina é ótimo’. Morri de vergonha do meu pai, mas, né, acontece.”

Se antes postar vídeos era só diversão, agora a brincadeira ficou séria e Jout Jout está lucrando com o sucesso. “É um videozinho patrocinado aqui, um trocadinho que o YouTube paga, e assim vai”, conta ela, que também recebeu um convite para ser colunista da revista Cosmopolitan.

O cofrinho de Bruna Vieira, do canal “Depois dos 15”, também não para de engordar. Ela, que tem 21 anos, lucra cerca de 10 mil dólares por mês com seus vídeos. Para quem não sabe, o YouTube capitaliza os vídeos e paga um pequeno valor por visualização. “Faturo também com os anúncios, que aparecem antes de o vídeo entrar no ar, e tem os banners, aquelas propagandas que aparecem embaixo da tela enquanto eu falo”, entrega a jovem.

O sucesso em forma de cliques também chegou para Taty Ferreira, 28, do canal “Acidez Feminina”. Ela acaba de lançar o livro “Manual da Mulher Bem Resolvida” (Editora Planeta, 240 páginas, preço sugerido: 29,90 reais). Taty acredita que a espontaneidade é o segredo do êxito de seu canal. “Exponho o mundo através do filtro da minha própria vivência. Não tenho intenção de convencer ninguém a agir ou pensar como eu, é a minha opinião sobre as coisas que passo e observo as pessoas a minha volta passarem”, diz a mineira, que mora em Londres (Inglaterra).

Há cinco anos, o canal “5 Minutos”, de Kéfera Buchmman, 22, também se destaca no YouTube: são até 600 mil visualizações por dia. Com o excesso de rímel que a moça admite amar, ela atua nos vídeos em esquetes de humor e fala de tudo que passa em sua cabeça, com muito palavrão. Com frases como “pareço fina, mas depois dessa foto dei um mega arroto”, ela tem sua irreverência conferida a cada vídeo postado para os mais de 4 milhões de inscritos em seu canal no portal de clipes do Google. E ainda vem mais por aí: antes do final do ano, Kéfera também vai rumar das telas para as páginas e lançar seu primeiro livro. (AD)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Merece atenção na Casa Cor 2015
Modelos viram garçons em casamentos de famosos, mas paquera é proibida
Deixe seu comentário
Pode te interessar