Segunda-feira, 06 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Cloudy

Mundo Mulheres reúnem-se em Paris para protestar contra violência doméstica

Compartilhe esta notícia:

Protesto em Paris chama a atenção para a violência doméstica contra as mulheres. (Foto: Divulgação)

Um protesto no centro de Paris buscou a atenção das pessoas para a violência doméstica. Centenas de mulheres participaram do chamado protesto “die-in”.

No movimento que aconteceu neste final de semana, as manifestantes mostraram cartazes com os nomes das vítimas francesas e caíram no chão, antes de levantar e cantar “nem uma a mais”.

De acordo com associações locais, acredita-se que mais de 120 mulheres foram assassinadas como resultado direto de violência doméstica na França.

Sardine Bouchait, que lidera a associação de vítimas e que também é irmã de uma vítima queimada até a morte, em 2017, vítima do seu parceiro, na frente da sua filha de sete anos, afirmou que o número de mortes é inaceitável.

Sexismo no trabalho

Estudo aponta que 60% das mulheres na Europa já sofreram sexismo no trabalho.

O relatório do Instituto Francês de Opinião Pública afirmou que 21% das mulheres passaram por essas situações no ano passado e 42% nos últimos 30 anos. Ainda de acordo com a enquete, 11% das entrevistadas afirmaram terem tido relação sexual “forçada ou indesejada” com alguém de seu círculo profissional.

Das que afirmaram terem sido pressionadas a realizar atos sexuais, apenas 16% denunciaram o caso a algum superior, ou sindicato de sua categoria.

Para os autores do estudo, este número “destaca a zona cinzenta que pode existir em torno do consentimento”, quando este é “obtido em um contexto de subordinação, intimidação, ou manipulação”.

A pesquisa foi aplicada em abril de 2019, de forma on line, com mais de cinco mil mulheres que englobou englobou França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Espanha.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Conheça algumas das opções de empréstimo mais acessíveis para fugir dos juros altos
Segundo laudo médico, João de Deus não tem nenhuma doença grave que o impeça de seguir preso
Deixe seu comentário
Pode te interessar