Domingo, 28 de Fevereiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Saúde Na França, alguns médicos não pretendem se vacinar contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Para o autor do estudo, entrevistado pela AFP, esses números mostram certa hesitação por parte dos médicos em relação a essa vacina

Foto: Reprodução
Para o autor do estudo, entrevistado pela AFP, esses números mostram certa hesitação por parte dos médicos em relação a essa vacina. (Foto: Reprodução)

Menos de 50% dos médicos franceses têm “certeza” de que desejam ser vacinados contra a Covid-19, de acordo com um estudo, enquanto entre os outros a maioria pensa em fazê-lo, e poucos são os que não o recomendam a seus pacientes, em um país conhecido por seu ceticismo em relação à vacinação.

De acordo com um estudo do pesquisador Pierre Verger, que entrevistou 1.200 médicos entre outubro e novembro do ano passado, apenas 47% deles afirmaram que é “certo” que serão vacinados contra a Covid-19.

Na pesquisa divulgada na sexta-feira pelo Ministério da Saúde, 29% dos entrevistados afirmaram que “provavelmente” serão vacinados e 11% consideraram que não o serão. 15% não comentaram.

Para o autor do estudo, entrevistado pela AFP, esses números mostram certa hesitação por parte dos médicos em relação a essa vacina. “Estamos longe de um acordo ou de um compromisso maciço com a vacinação. Temos cerca de três quartos de respostas positivas, mas com graus diferentes”, explica Verger.

“Se o nível de hesitação dos clínicos gerais não diminuir, será um freio na campanha de vacinação”, continua. No entanto, a pesquisa mostra que quatro em cada cinco médicos pretendem recomendar a vacina aos seus pacientes.

Apenas 1% dos médicos pesquisados preveem “com certeza” não recomendar a injeção. “Na França, a população confia muito em seu médico para obter informações sobre as vacinas. Quando seu médico de família diz que deve ser vacinado, é uma palavra que tem muito peso”, explica Antoine Bristielle, pesquisador da Fundação Jean Jaurès, que acaba de emitir um relatório sobre o ceticismo da vacina.

“A principal questão que se coloca a respeito de uma vacina desenvolvida tão rapidamente é: ‘Ela garante segurança?’ Eu mesmo, como cientista, inicialmente me fiz algumas perguntas. Li relatórios científicos que me tranquilizaram. Nosso trabalho é explicar a questão e ser transparentes”, diz a especialista em doenças infecciosas Solen Kerneis.

Por outro lado, os números não são muito diferentes dos de outros países considerados menos relutantes à vacinação. Pesquisas na Bélgica ou Quebec (Canadá) mostraram resultados semelhantes de acordo com o estudo do professor Verger, enquanto apenas 50% das enfermeiras alemãs indicaram que gostariam de ser vacinadas, segundo uma pesquisa realizada em dezembro pelos institutos DGIIN e DIVI.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Ministério da Saúde libera recursos para tratamento de pacientes renais
Tentativa de roubo de fios causa princípio de incêndio em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar