Terça-feira, 14 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
Fair

Política “Não houve um alinhamento com o presidente”, diz o ex-ministro Nelson Teich sobre saída do Ministério da Saúde

Compartilhe esta notícia:

Ex-ministro afirmou que não anteciparia a decisão de liberar cloroquina a pacientes leves de Covid-19

Foto: Reprodução de TV
Ex-ministro afirmou que não anteciparia a decisão de liberar cloroquina a pacientes leves de Covid-19. (Foto: Reprodução de TV)

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich disse, em entrevista no domingo (24), que sua saída do cargo menos de um mês depois de ter assumido a pasta ocorreu por causa de um “desalinhamento” com o presidente Jair Bolsonaro e que a antecipação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina em pacientes leves de Covid-19 pesou em sua decisão. Os remédios são defendidos por Bolsonaro, mas não têm comprovação de eficácia no combate à doença.

“Não houve um alinhamento com o presidente, e é ele que define, ele é o chefe da nação. Ele me colocou ali. Se por um algum motivo não existe um alinhamento, eu tenho que sair, porque ele é o presidente. Ele que foi eleito, ele coloca isso, ele que define tudo. E é justo, a posição dele é esta. Ele tem direito de fazer isso”, afirmou o ex-ministro em entrevista à GloboNews .

“O que a gente tem que entender é o seguinte: desalinhamento não significa conflito, porque a gente mistura as coisas. Desalinhamento é: você tem uma linha de pensamento. Então, por exemplo, em relação a remédio. Eu não anteciparia a decisão [de liberar o uso de cloroquina em pacientes leves de Covid-19]. Eu esperaria o laudo, o resultado clínico do estudo randomizado. Ele achou que era melhor antecipar, é uma escolha. Só que como a posição é distinta, eu tenho que sair.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

No Brasil, apenas um em cada três pacientes graves com coronavírus sobrevive
INSS começa a pagar a segunda parcela do 13º de aposentados e pensionistas
Deixe seu comentário
Pode te interessar