Domingo, 23 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Cloudy

Brasil Novos diálogos divulgados incluem novos personagens nas supostas mensagens trocadas entre Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa da Operação Lava-Jato

(Foto: Agência Brasil)

Novos diálogos divulgados pela revista Veja, em parceria com o site The Intercept Brasil, incluem novos personagens nas supostas mensagens trocadas entre o então juiz da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa da Lava-Jato, Deltan Dallagnol.

De acordo com a reportagem, o agora ministro teria alertado sobre a inclusão de uma prova em processo contra o operador de propina Zwi Skornicki; orientado o MPF (Ministério Público Federal) sobre datas de operações – uma delas ligada a ação contra o pecuarista José Carlos Bumlai – e feito pressão contra a negociação de delação premiada do deputado cassado Eduardo Cunha.

O atual ministro da Justiça e o procurador do Ministério Público Federal contestam a autenticidade das mensagens, denunciam a invasão ilegal de suas comunicações e negam infrações na atuação no âmbito da Lava-Jato. Segundo o Intercept, as conversas trocadas pelo aplicativo Telegram foram obtidas por meio de uma fonte anônima. A nova reportagem diz que, nos bastidores da Lava-Jato, Moro revisava peças da acusação e até os repreendia.

A revista diz que o material vazado soma quase um milhão de mensagens, em arquivo com mais de 30 mil páginas. A publicação afirma ainda ter analisado 649.551 mensagens, em parceria com o site.

Aviso sobre prova

De acordo com a Veja e o The Intercept, em conversa de 28 de abril de 2016, Moro teria orientado os procuradores sobre prova em um processo. Dallagnol teria avisado à procuradora Laura Tessler que o então juiz o avisou sobre a ausência de uma informação – um depósito a um funcionário da Petrobras – na denúncia do réu Zwi Skornicki, representante do estaleiro Keppel Fels, operador de propina do esquema e, posteriormente, delator na Lava-Jato.

“Laura no caso do Zwi, Moro disse que tem um depósito em favor do [Eduardo] Musa e se for por lapso que não foi incluído ele disse que vai receber amanhã e da tempo. Só é bom avisar ele”, teria escrito Dallagnol. “Ih, vou ver”, teria respondido Laura. De acordo com a revista e o site, o comprovante do depósito de US$ 80 mil, feito por Skornicki a Musa, foi incluído no dia seguinte à peça pelo MPF. Moro aceitou a denúncia e, para isso, citou o documento.

Em nota, Moro afirma que não tem como “confirmar ou responder pelo conteúdo de suposta mensagem entre terceiros”. E que a “acusação relativa ao depósito de USD 80 mil, de 7 de novembro de 2011, e que foi incluído no aditamento da denúncia em questão, não foi reconhecido como crime na sentença proferida pelo então juiz em 2 de fevereiro de 2017, sendo ambos absolvidos deste fato (itens 349 e 424, alínea A e D)”.

Processos com foro privilegiado

Segundo a reportagem, Moro teria atuado para manter os processos em Curitiba. Em 25 de agosto, a defesa do então presidente da AG Energia Flávio David Barra, do grupo Andrade Gutierrez, teria pedido ao ministro Teori Zavascki do STF (Supremo Tribunal Federal) a suspensão do processo na 13ª Vara de Curitiba.

O argumento era de que Moro não deveria julgar o caso por haver suspeita de envolvimento de parlamentares, como o senador Edison Lobão (MDB-MA), detentor de foro privilegiado no STF. Barra havia sido preso em 28 de julho de 2015 por supostos pagamentos de propina na construção da usina nuclear Angra 3.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Sérgio Moro acusa a imprensa de sensacionalismo após a divulgação de novos diálogos
Inscrições para NRF 2020 em Nova York começam na quarta-feira
Deixe seu comentário
Pode te interessar