Terça-feira, 04 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Brasil O Brasil vai atingir 2 milhões de casos confirmados de coronavírus já na semana que vem

Compartilhe esta notícia:

Pesquisadores avaliam que a mutação chamada de D614G foi responsável por aumentar o número de estruturas que o vírus usa para invadir as células. (Foto: Reprodução/NIAID)

O Brasil vai atingir 2 milhões de casos confirmados de coronavírus já na semana que vem, com as mortes por Covid-19 chegando a 80 mil, indica uma projeção feita a pedido da BBC News Brasil pelo Laboratório de Inteligência em Saúde (LIS) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, ligado à Universidade de São Paulo (USP).

A marca simbólica deve ser alcançada entre a próxima terça (14) e quarta-feira (15), uma semana depois de o presidente Jair Bolsonaro ter anunciado que contraiu o vírus e menos de um mês depois de o País ter registrado 1 milhão de casos.

Caso as previsões se confirmem, o Brasil chegaria ao patamar de 2 milhões de casos apenas 25 dias depois de atingir 1 milhão de casos, ou seja, quase cinco vezes mais rápido do que os 114 dias que demorou para atingir a primeira marca, no último dia 19 de junho.

O primeiro registro do coronavírus no País aconteceu em 26 de fevereiro.

Até esta quinta (9), segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil tinha 1.755.779 casos confirmados de Covid-19 e 69.184 mortes.

Mas Domingos Alves, responsável pelo LIS, alerta que os números podem mudar “drasticamente”, com a reabertura do comércio em vários Estados brasileiros.

“Pode ser que essa marca acabe sendo atingida mais rápido do que inicialmente previmos”, diz ele à BBC News Brasil.

Segundo Alves, uma combinação de fatores acelerou a expansão dos casos de coronavírus no último mês.

A decisão pela reabertura da economia a partir de início de junho, apesar de o Brasil não ter atingido o pico, é o principal deles, em sua visão, por “razões eleitoreiras”.

“O Brasil é um dos poucos países do mundo que decidiu pelo relaxamento das medidas de isolamento social enquanto o número de casos e óbitos ainda cresce fora do padrão”, diz ele.

“O que balizou essa decisão em vários países europeus foi uma queda substancial do número de casos, óbitos e internações, seguindo o padrão da Organização Mundial da Saúde (OMS). Esses três indicadores têm que cair por três semanas consecutivas para só então um país flexibilizar as regras. E não foi isso que fizemos. Governadores e prefeitos fizeram essa opção por razões eleitoreiras”, acrescenta.

Em outro desdobramento, o presidente Jair Bolsonaro ampliou, na segunda-feira (6), os vetos à obrigatoriedade do uso de máscaras. O item de proteção deixa de ser obrigatório em presídios.

Na sexta-feira passada (3), Bolsonaro já havia vetado pontos do projeto de lei aprovado pelo Congresso no início de junho, entre eles a obrigatoriedade do uso de máscara em igrejas, comércios e escolas.

Estabelecimentos também não vão mais precisar instruir frequentadores sobre o uso correto do equipamento de proteção.

Estudos mostram que as máscaras podem reduzir substancialmente a transmissão do coronavírus.

Como resultado, a taxa de isolamento social no Brasil caiu para baixo de 40%, patamar semelhante ao registrado antes do fim de março, quando vários Estados brasileiros decretaram algum tipo de confinamento.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Com coronavírus, Bolsonaro faz eletrocardiograma duas vezes por dia para monitorar possíveis efeitos colaterais da cloroquina
O Brasil registra 69.184 mortes e 1.755.779 casos de coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar