Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Light Rain with Thunder

Brasil O dólar voltou a cair e fechou a 4,01 reais, o menor valor desde agosto

Compartilhe esta notícia:

Na semana, a moeda teve queda de 2,65%, segunda maior queda semanal do ano. (Foto: Reprodução)

A cotação do dólar voltou a ter forte queda nesta sexta-feira (25). Com a aprovação da reforma da Previdência, um cenário exterior favorável e bons resultados de Vale e Petrobras levaram a moeda americana a R$ 4,01, menor valor desde 16 de agosto.

Na semana, a moeda tem queda de 2,65%, segunda maior queda semanal do ano. A maior foi na última semana de janeiro, com o otimismo de investidores quanto ao início do governo de Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

A semana também foi positiva para o Ibovespa, que acumulou alta de 2,56%. O período foi marcado pela aprovação da reforma da Previdência em segundo turno no Senado, último passo do projeto no Congresso, e pela previsão do mercado de Selic a 4,5% ao fim deste ano.

Foi o quarto corte da taxa de juros este ano, e superou as expectativas do mercado, que esperava uma redução de 0,25 ponto percentual.

Além de juros baixos e Previdência aprovada, Vale e Petrobras impulsionaram a Bolsa nesta sexta. A mineradora voltou a registrar lucro, após dois trimestres seguidos de prejuízo depois do acidente de Brumadinho (MG), em 25 de janeiro.

A empresa teve lucro líquido de R$ 6,5 bilhões no terceiro trimestre deste ano, um resultado 13,7% superior ao registrado no mesmo período de 2018.

“O baixo endividamento e equacionamento de toda as questões envolvendo a tragédia de Brumadinho, devem permitir a Vale no ano que vem, elevar a distribuição de dividendos aos seus acionistas”, afirma relatório da Rico Investimentos.

As ações da companhia tiveram forte alta de 3,87% nesta sexta, a R$ 48,56, maior patamar em duas semanas.

A Petrobras foi ainda melhor, com lucro de R$ 9,1 bilhões no terceiro trimestre, alta de 36,8% com relação ao mesmo período de 2018. O desempenho reflete aumento na produção de petróleo e a entrada de recursos com a venda de ações da BR Distribuidora.

O lucro veio acima das expectativas do mercado, animando investidores que na véspera temiam o contrário. Após o balanço, a recomendação das corretoras era de compra para os papéis da companhia.

O preço das ações saltou. As preferenciais, mais negociadas, chegaram a R$ 29,55 durante o pregão, maior valor desde junho de 2010, quando Dilma Rousseff (PT) foi anunciada como candidata do partido as eleições presidenciais daquele ano, sendo eleita para seu primeiro mandato.

No fechamento, a empresa perdeu força e as ações preferenciais terminaram a R$ 29,25, alta de 3,3%. O patamar ainda é o maior desde 2010.

Nas ordinárias, com direito a voto e menos negociadas, os papéis fecharam cotados a R$ 31,71, alta de 3,9%, maior patamar desde junho.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Durante encontro em São Paulo com líderes políticos e empresariais de todo o País, o governador gaúcho defendeu a desburocratização do setor público
Uma garrafa rara de uísque foi leiloada pelo valor recorde de 513 mil reais a dose
Deixe seu comentário
Pode te interessar