Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair / Wind

Mundo O preço do petróleo no mundo cai cerca de 4% com uma possível retomada da produção na Líbia

Compartilhe esta notícia:

O petróleo acompanhou outros mercados de ações e commodities em meio à aversão ao risco. (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Os preços do petróleo afundaram cerca de 4% nessa segunda-feira (21), com o crescente número de casos de coronavírus gerando preocupações quanto à demanda global e uma possível retomada na produção da Líbia ampliando os temores de um excesso de oferta da commodity.

O petróleo acompanhou outros mercados de ações e commodities em meio à aversão ao risco nesta segunda, já que o aumento nas contagens de Covid-19 na Europa e em outros países desencadeou novas medidas de “lockdown”, colocando em dúvida a recuperação econômica.

“Estamos vendo mais notícias deprimentes sobre a demanda por combustível de aviação”, disse Gary Cunningham, diretor de pesquisas de mercado da Tradition Energy em Stamford, Connecticut. “Vemos um mercado muito mais fraco. O panorama econômico já não parece tão otimista quanto antes.”

O petróleo Brent fechou em queda de US$ 1,71, ou 3,96%, a US$ 41,44 por barril. Já o petróleo dos Estados Unidos (WTI) recuou US$ 1,80, ou 4,38%, para US$ 39,31 o barril. Ambos os contratos registraram os maiores declínios em duas semanas.

Mais de 30,78 milhões de pessoas já foram infectadas pelo coronavírus, segundo contagem da Reuters. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, cogitou nessa segunda um novo “lockdown” nacional, enquanto os números de casos também subiram na Espanha e França.

Enquanto isso, trabalhadores retomaram as operações no campo de Sharara, na Líbia, de acordo com dois engenheiros que atuam no local, depois de a National Oil Corporation anunciar a suspensão parcial de uma medida de força maior. No entanto, ainda não está claro quando e a que nível a produção de petróleo na área poderá ser retomada.

Petrobras

O julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) para decidir se a Petrobras terá que submeter à aprovação do Congresso o processo de venda de suas refinarias, pode atrasar ainda mais o programa de desinvestimento da estatal.

Três ministros já se manifestaram contrários à continuidade de processos para a venda de suas refinarias, incluindo o relator do caso Edson Fachin. Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello acompanharam o ministro. A sessão se estenderá até o próximo dia 25.

“Se as regras do STF contra a Petrobras e a aprovação do Congresso forem necessárias para vender refinarias, isso poderia atrasar significativamente o processo a ponto de ocorrer apenas após as eleições de 2022”, afirmaram os analistas Fred Mendes e Flávia Meireles.

Além disso, a postergação do plano poderia interferir no cronograma de desalavancagem e nos dividendos da empresa, afirmam.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

A Espanha isolou 850 mil pessoas para tentar conter uma segunda onda de contágio de coronavírus
Grandes bancos giram 2 trilhões de dólares suspeitos
Deixe seu comentário
Pode te interessar