Sexta-feira, 29 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Fair

Brasil O presidente da Ancine foi afastado por passar informações sigilosas

Compartilhe esta notícia:

Christian de Castro Oliveira e outras duas pessoas teriam acessado indevidamente os sistemas da agência e repassado informações sigilosas. (Foto: Divulgação)

Christian de Castro Oliveira foi afastado nesta sexta-feira (30), da presidência da Ancine (Agência Nacional de Cinema) pelos crimes de violação de sigilo funcional, denunciação caluniosa, prevaricação, calúnia, difamação, injúria e associação criminosa. A decisão, publicada no Diário Oficial, atende a uma decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro.

Para o lugar de Christian, Alex Braga Muniz foi nomeado como “substituto eventual”. Segundo o decreto, ele vai exercer a função durante as “ausências eventuais e impedimentos do titular”.

De acordo com o Ministério Público Federal, entre os dias 31 de outubro de 2017 e 15 de dezembro do mesmo ano, Christian, Juliano Cesar Alves Vianna e Magno de Aguiar Maranhão Junior teriam supostamente acessado os sistemas eletrônicos da Ancine e passado informações sigilosas a Ricardo Alves Vieira Martins, que era sócio de Christian e, na época, não tinha nenhum vínculo com a agência.

Essas informações, ainda segundo o MPF, foram utilizadas pelo grupo para caluniar outros dois diretores da agência (um deles, Alex Braga Muniz, que assume a presidência da Ancine de forma interina), passando para a imprensa informações que eles sabiam que eram falsas. As notas acusavam os diretores de desvio de recursos da Ancine. O grupo também montou uma denúncia contra os diretores e a enviou de forma anônima ao Ministério Público.

Sergio Sá Leitão, Marcos Tavolari, Cláudia Pedrozo e Ricardo Pecorari teriam deixado de instaurar processo administrativo disciplinar contra os Christian, Juliano e Magno e não comunicaram às autoridades responsáveis que eles cometeram o crime de violação de sigilo funcional. Uma troca de e-mails mostra, segundo o MPF, que eles sabiam do acesso indevido.

Sérgio Sá Leitão é atualmente o Secretário de Estado da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e Cláudia Pedrozo trabalha como sua secretária adjunta. Na decisão, a juíza Adriana Alves dos Santos Cruz ressalta que os fatos investigados não se relacionam com condutas praticadas nas funções atuais, então por isso não foi pedido o afastamento deles desses cargos.

Ao determinar o afastamento do Christian, a juíza afirmou ser “imperioso” que a condução dos órgãos de fomento à cultura esteja a cargo de “pessoas que pautem suas ações em convergência com o que determina a Constituição”.

Ela também afirmou, na decisão, que o aparato público não pode estar “à mercê de agentes que indicam ter um atuar pautado por agenda personalíssima”.

“O afastamento dos requeridos tem por escopo garantir a instrução penal e a ordem pública. Sua prévia intimação pode tornar a medida ineficaz, especialmente no que concerne permitir que continuem dispondo do aparato estatal”, escreveu a juíza.

O advogado de Sérgio Sá Leitão, Fernando Martins, afirmou que as imputações do MPF são “absolutamente infundadas” e têm caráter “estritamente político e midiático”. “Tudo será devidamente esclarecido em juízo. Suas ações sempre se pautaram pela defesa do interesse público e pelo mais estrito rigor e respeito à ética e à legalidade. Em cerca de 20 anos dedicados ao serviço público, Sá Leitão trabalha incansavelmente em prol do desenvolvimento da arte, da cultura e da economia criativa no Brasil. Sua trajetória ilibada comprova essa afirmação”, disse, em nota.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Bolsonaro disse que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, ainda é “ingênuo” e que “falta malícia” ao ex-juiz federal. “O Paulo Guedes (ministro da Economia) também era assim, mas está aprendendo”
Em novo dia de protestos, manifestantes de Hong Kong derrubam barreiras do Parlamento
Deixe seu comentário
Pode te interessar