Segunda-feira, 25 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Capa – Caderno 1 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, despencou em lista de bilionários da revista Forbes

Compartilhe esta notícia:

Trump durante o Fórum Econômico Mundial. (Foto: Boris Baldinger/WEF/Fotos Públicas)

O presidente americano Donald Trump despencou 222 posições no levantamento anual da revista Forbes para listar os mais ricos do mundo, divulgado na terça-feira. A fortuna do político, que era estimada em 3,5 bilhões de dólares (11,27 bilhões de reais) em 2017, diminuiu para 3,1 bilhões de dólares (9,98 bilhões de reais) em 2018, fazendo com que ele ficasse na 766ª posição.

A revista sugere que o rebaixamento do presidente americano no ranking pode ser parcialmente atribuído a uma queda nos valores estimados dos prédios e propriedades que ele mantém na região central de Nova York, a fonte principal de sua fortuna. Além desses negócios, Trump ainda possui campos de golf e outras companhias em seu nome, espalhados ao redor do globo.

O topo da lista é ocupado pelo fundador e chefe da Amazon, Jeff Bezos, com uma fortuna estimada em 112 bilhões de dólares (360 bilhões de reais), bem superior à quantia de 39,2 bilhões de dólares (126 bilhões de reais) registrada no ano passado. A escalada é a maior já registrada de uma edição para outra na história do ranking.

Bezos superou, inclusive, o fundador da Microsoft, Bill Gates, cuja riqueza estimada é de 90 bilhões de dólares (290 bilhões de reais). Gates, que liderou a lista por 18 anos, ficou em segundo lugar. Ao todo, 2,208 bilionários aparecem no ranking anual.

Warren Buffett, da Berkshire Hataway, ficou em terceiro lugar, com 84 bilhões de dólares (270 bilhões de reais). Em quarto lugar, aparece o europeu mais rico da lista, Bernard Arnault, da LMVH, com 72 bilhões de dólares (232 bilhões de reais), e, em quinto, o fundador e dono do Facebook, Mark Zuckerberg, com 71 bilhões de dólares (229 bilhões de reais).

Os Estados Unidos são o país com o maior número de bilionários, com 585 americanos na lista. A Califórnia sozinha tem 144 bilionários, mais do que qualquer país além dos Estados Unidos e da China, o segundo colocado no ranking dos países com mais bilionários com 373 pessoas na lista.

A Alemanha é o país da Europa com o maior número de representantes na lista e o terceiro colocado no ranking geral, com 123 bilionários. A Índia aparece logo em seguida, com 119 bilionários, e a Rússia depois, com 102.

Principal assessor econômico de Trump renunciou

Em um único dia, Donald Trump viu seu principal assessor econômico, Gary Cohn, renunciar ao cargo.

A Casa Branca confirmou que a saída de Cohn acontecerá nas próximas semanas. A renúncia se dá devido ao desacordo por parte do assessor sobre a imposição de tarifas às importações de aço e alumínio anunciadas por Trump na semana anterior.

“Gary foi o meu principal assessor econômico e fez um excelente trabalho ao dirigir nossa agenda, ajudando a realizar cortes tributários históricos e reformas, e impulsionando a economia americana mais uma vez”, indicou Trump em comunicado divulgado pelo escritório presidencial. “É um talento raro, e lhe agradeço seu dedicado serviço ao povo americano”.

Cohn é o último de uma longa série de renúncias entre os assessores mais próximos do presidente e seu anúncio ocorre poucos dias depois da divulgação da saída da fiel conselheira e diretora de Comunicações de Trump, Hope Hicks.

Embora a Casa Branca não tenha confirmado que Cohn tenha posto fim ao seu trabalho no governo americano por suas diferenças com Trump em matéria tarifária, é de conhecimento público que o ainda assessor econômico do multimilionário se opõe a tal medida.

O presidente anunciou na semana passada que imporá tarifas de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio, apesar da oposição de grande parte do seu partido e de Cohn.

O assessor destacou nesta quarta-feira que “foi uma honra” servir aos Estados Unidos, e “promulgar políticas econômicas a favor do crescimento em benefício do povo americano, em particular a aprovação de uma reforma tributária histórica”.

“Agradeço ao presidente por dar-me esta oportunidade e desejo a ele e ao governo grande sucessos no futuro”, disse Cohn em outra breve nota divulgada pela Casa Branca.

A saída de Cohn, liberal e defensor do livre-comércio, poderia ter um efeito dominó nas decisões econômicas do presidente e no setor financeiro, já que, em agosto do ano passado, a mera ameaça de sua saída do governo provocou uma queda dos mercados.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Advogado de Lula espera que o Supremo mude sua posição e adie a prisão do ex-presidente
Pressão para que o STF julgue habeas corpus de Lula constrange o Supremo
Deixe seu comentário
Pode te interessar