Segunda-feira, 08 de Março de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Partly Cloudy

Rio Grande do Sul Pedidos de seguro-desemprego recuam quase 20% no Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia:

Em janeiro, número de solicitações recuou 19,9%

Foto: Marcello Casal Jr./ABr
Em janeiro, número de solicitações recuou 19,9%. (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

O número de pedidos de seguro-desemprego iniciou 2021 em baixa no Rio Grande do Sul. Em janeiro, foram 26.318, o que representa queda de 19,9% frente a igual mês do ano passado. É o menor volume para o intervalo desde 2010, indicam dados do Ministério da Economia.

O movimento de recuo ganhou força ao longo do segundo semestre de 2020. Segundo especialistas, a recente trégua reflete, em parte, a reabertura de atividades nos últimos meses, depois de demissões em massa no começo da pandemia. Outro fator citado é a adesão a medidas do governo federal para suporte a empresas e trabalhadores, o que estimulou negócios e freou cortes de vagas em 2020.

A questão é que programas como o BEm (Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda), que autorizou redução de jornada e salários, terminaram na virada do ano. O Ministério da Economia já sinalizou que estuda renovar o BEm, mas a volta ainda não foi confirmada. O impasse acende sinal de alerta no mercado de trabalho, já que os números da pandemia pioraram em parte do país, elevando restrições em diversas regiões.

O seguro é destinado a trabalhadores formais demitidos sem justa causa. Em 2020, os pedidos dispararam com a chegada do coronavírus. Na fase inicial da pandemia, o Estado chegou a registrar 66.827 solicitações apenas em maio.

Na sequência, os requerimentos perderam fôlego em meio à reabertura de empresas. No acumulado de 2020, o Rio Grande do Sul teve 419.458 pedidos do benefício, quase o dobro da população de Alvorada (211,4 mil habitantes). O número do ano passado representa avanço de 1,9% frente a 2019. À época, houve 411.505 requerimentos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Ministério da Educação não gasta dinheiro disponível e devolve recursos em 2020, diz relatório
Mais de 530 mil pedidos na fila do INSS são de benefícios assistenciais
Deixe seu comentário
Pode te interessar