Domingo, 16 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fog

Saúde Pessoas já infectadas por Covid-19 devem esperar um mês antes de se vacinar, recomenda infectologista

Compartilhe esta notícia:

Se a pessoa estiver com a doença aguda, com febre e com sintomas de Covid-19, ela não deve se vacinar.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Serviço é oferecido em 30 postos de saúde e três drive-trhrus. (Foto: EBC)

O Brasil registrou até este sábado (10) 13.445.006 pessoas infectadas por Covid-19 desde o início da pandemia, cerca de 6% da população brasileira. No momento em que a vacinação contra a doença está sendo realizada no País, uma das dúvidas mais comuns é o que muda no caso de quem já teve a doença quando da aplicação da vacina.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, quem já teve a Covid-19 deve esperar ao menos um mês antes de tomar a vacina contra a doença. Esse intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo, quando foi convencionado que a pessoa se livra do vírus.

Ele explica que ainda não há publicações e estudos demonstrando efeitos, mas que médicos têm adotado esse tempo mínimo para evitar potenciais efeitos adversos.

Se a pessoa estiver com a doença aguda, com febre e com sintomas de Covid-19, ela não deve se vacinar. Antes disso, deve procurar um médico para receber orientações e ter um diagnóstico se está ou não com a doença.

“Se tiver com sintomas vou esperar encerrar o meu quadro. Se eu tiver com sintomas, tenho que procurar o médico para verificar o diagnóstico. Se tiver infectado, tem que aguardar até resolver o quadro e aí depois de 30 dias”, explica o infectologista.

Luz lembra que a vacina pode causar efeitos adversos, em geral no local da aplicação, como inchaço, vermelhidão, febre ou indisposição. Mas essas reações não duram mais de 48 horas e podem ser tratadas com remédios como analgésicos e antitérmicos.

O infectologista alerta que quem já foi infectado pode contrair a Covid-19 novamente, mas o quadro deve ser brando. “A [vacina] CoronaVac tem eficácia de 50% para pegar a doença, mas é 100% eficaz contra o caso grave. A [vacina] Oxford/AstraZeneca é um pouco mais efetiva, a 70%, mas mesmo assim existe possibilidade de ficar doente”, disse.

O infectologista ressalta a importância da vacinação mesmo para quem já teve a Covid-19. E acrescenta que não é preciso ter receio, pois não há chance da vacina causar doenças. Mesmo aquelas que utilizam vírus inativados não têm qualquer possibilidade de replicação do vírus no organismo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Fiocruz: aumento de casos de Covid em pessoas com 30 a 59 anos supera 1.000%
Governo enviará 2,3 milhões de SMS para quem recebeu auxílio indevidamente
Deixe seu comentário
Pode te interessar