Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Cloudy

Colunistas Plano racional para o Covid-19

Compartilhe esta notícia:

É preciso dar realce ao plano de revisão gradual do regime de quarentena do governador Eduardo Leite. (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)

Abrir de vez? Abrir aos poucos? Manter o distanciamento social como está? Avançar para o lockdown, a forma mais radical de isolamento? Essa são as perguntas que não calam na pandemia.

Uma coisa é certa: não dá para ficar mais dois, três ou cinco meses em isolamento. O país não tem recursos e há milhões de pessoas que já estão, agora, no limite da sobrevivência.

Fica fácil defender o isolamento, e só o isolamento, para quem está recebendo salários em dia e pode ficar em casa. Tenho todo o respeito pelos infectologistas. Mas a maioria deles, que agora ditam os procedimentos de nossa vida, são servidores públicos. Conhecem virologia, epidemiologia, expansão das viroses e doenças infecciosas, mas nunca experimentaram as agruras da vida das populações mais pobres, dos trabalhadores informais, da legião de desempregados.

Já é tempo de romper a lógica do isolamento, mas não a qualquer preço, como propõe Bolsonaro. Por isso, é preciso dar realce ao plano de revisão gradual do regime de quarentena do governador Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul. É uma boa nova em meio ao flagelo.

Sem alarde, trabalhando quase em silêncio, ouvindo os atores e respeitando os interesses em jogo, mas priorizando a saúde da população, Leite apresentou um plano que, na sua racionalidade e simplicidade, oferece uma alternativa para responder aos desafios da hora.

O Estado foi dividido em 20 regiões. Elas são consideradas sob 11 indicadores diferentes da doença, tais como número atual e evolução recente de infectados, óbitos, ocupação e disponibilidade de leitos hospitalares e equipamentos médicos. As regiões são classificadas por bandeiras, de cor amarela, quanto melhores estiverem os indicadores da doença e os equipamentos disponíveis para tratamento, seguindo-se as bandeiras laranja, vermelha e preta, esta última correspondendo à situação mais crítica.

Quanto mais satisfatória for a situação da respectiva região, mais amplos serão os setores e segmentos que poderão retomar as atividades. A abertura se dará sempre com a adoção de rígidos protocolos, como o uso de máscaras (agora obrigatório em todo o estado), a testagem de temperatura, a utilização ampla da assepsia com água e sabão e álcool gel, etc.

A cada semana a situação de cada região será reavaliada, podendo ser reclassificada para cima ou para baixo, mantendo, aumentando ou reduzindo as restrições.

Simples assim. É pouco? Não, não é, no país aturdido pela pandemia, em que o governo federal, que deveria centralizar as ações, se conduz de forma errática, descoordenada – de um lado as autoridades sanitárias afirmando a importância do isolamento social, e de outro, o boicote ostensivo do próprio presidente da República. Com a saída de Nelson Teich – não disse a que veio, mas se retirou com honra e altivez – tudo leva a crer que o novo Ministro da Saúde será Bolsonaro, acumulando o cargo ou por interposta pessoa.

O plano vai dar certo? Vai reduzir os danos? Uma luz no túnel escuro? O tempo dirá. Mas tem uma condição básica para o êxito: há um plano – lógico, racional, viável, com começo, meio e fim. Alvíssaras!

titoguarniere@hotmail.com

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Audiência: Record deve fechar o mês novamente na frente do SBT
Celso de Mello libera vídeo e toca fogo no circo
Deixe seu comentário
Pode te interessar