Quinta-feira, 09 de dezembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Polícia Federal prende suspeito de patrocinar tráfico de cocaína em aviões da FAB

Compartilhe esta notícia:

Segundo as investigações, o suspeito seria o dono de parte da carga de 39 quilos de cocaína encontrada na mala de um sargento, que está preso desde 2019 na Espanha. (Foto: Guarda Civil de Sevilla)

A PF (Polícia Federal) prendeu nesta segunda-feira (18), em Brasília (DF), o empresário Marcos Daniel Gama, também conhecido como Chico Bomba, em mais um desdobramento da Operação Quinta Coluna, que apura um esquema de envio de drogas para a Europa por meio de aviões da FAB (Força Aérea Brasileira).

Em nota, a PF informou que o alvo é apontado como “um dos líderes e financiador do esquema criminoso”. A prisão preventiva foi decretada pela Justiça militar, pois ele estaria ameaçando testemunhas do caso, conforme a corporação. O mandado foi cumprido em sua residência no Lago Sul, área nobre de Brasília.

Segundo as investigações, Gama seria o dono de parte da carga de 39 quilos de cocaína encontrada na mala do sargento Manoel Silva Rodrigues, que está preso desde 2019 na Espanha. O militar, que viajava em um avião de apoio da comitiva do presidente Jair Bolsonaro, foi preso em flagrante quando tentava passar pela alfândega com a bagagem no aeroporto de Sevilha.

O advogado do empresário, Eduardo Toledo, disse que não teve ainda acesso à íntegra da medida e que irá ingressará com ações para anular a prisão preventiva por considerá-la “ilegal e desnecessária”.

No início de 2020, Rodrigues foi condenado a seis anos de prisão pelo Superior Tribunal da Andaluzia. No Brasil, ele ainda consta como militar da ativa e continua recebendo renumeração pelo cargo. Conforme o Estatuto dos Militares, ele só pode ser expulso e ter os honorários anulados quando houver uma condenação definitiva contra ele em sentença transitada em julgado.

O suspeito preso preventivamente hoje pode responder pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico, penalidades que, somadas, podem chegar a 30 anos de prisão.

No Distrito Federal, Gama aparece como sócio de duas empresas, uma academia e uma incorporadora, com capital social de 200.000 reais, localizadas na Asa Sul e Asa Norte, respectivamente. Ele também figura como sócio da empresa PCL Serviços Administrativos, em Florianópolis, cuja atividade principal é descrita como “apoio administrativo”. As informações são da Receita Federal. Esses endereços teriam sido alvos de mandados de busca e apreensão da PF. As informações são do jornal O Globo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Supremo forma maioria para negar pedido de liberdade do caminhoneiro Zé Trovão
Corpo de brasileira morta na fronteira dos Estados Unidos volta ao Brasil após 35 dias
Deixe seu comentário
Pode te interessar