Domingo, 14 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Mist

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Colunistas Por que não devemos tomar remédio para dor de cabeça a toda hora?

Compartilhe esta notícia:

Muitos pacientes acabam se intoxicando pela tomada excessiva destas drogas.

Foto: Reprodução
Muitos pacientes acabam se intoxicando pela tomada excessiva destas drogas. (Foto: Reprodução)

A maneira mais comum diante de uma dor é tomar um analgésico. Entretanto, essa atitude não é a mais adequada. Estudos vêm mostrando que tomar remédios em excesso pode, além de não resolver o problema, ser um fator fundamental para o desenvolvimento das dores de cabeça, por exemplo.

De fato, muitos pacientes acabam se intoxicando pela tomada excessiva destas drogas. Muitas vezes, devido às dores intensas, as pessoas chegam a tomar até o dobro do que é recomendado para um tipo especifico de remédio.

O paracetamol, por exemplo, um dos mais consumidos para amenizar as dores de cabeça, é seguro apenas quando o seu consumo não ultrapassa os 3g por dia. Até mesmo a dipirona, um dos analgésicos mais seguros, pode causar malefícios quando ingerida em quantidades acima de 4g.

Algumas pessoas pensam que intercalar diferentes tipos de remédios irá reduzir a dosagem de cada substância, pois, apesar dessa redução, você ficaria exposto a uma quantidade maior de efeitos colaterais.

Ficar tomando remédios só trará outros males para a sua saúde e não eliminará a dor de cabeça. A partir da análise de um especialista, cada tipo de dor deverá ser tratada de uma forma. Na maioria das vezes o tratamento conservador, ou seja, Osteopatia, Fisioterapia, Quiropraxia entre outros, podem ajudar a eliminar o que está causando a dor de cabeça.

A cefaleia tensional é um tipo de dor de cabeça causada geralmente por contrações musculares constantes nos músculos do pescoço e cabeça e pode estar associada ao bruxismo de vigília (apertamento dos dentes que ocorre durante o dia).

A identificação precoce do que tem causado esses sintomas, que pode ser desde a desidratação até uma doença mais grave, servirá para que o tratamento tenha mais êxito. Especialistas relatam que é muito comum os pacientes tomarem conhecimento que são alérgicos a determinado medicamento em razão da utilização indiscriminada de alguns remédios, aparentemente inofensivos.

Muita gente acaba abusando dos medicamentos para dores no estômago, cólicas ou náuseas, o que provoca efeitos colaterais. O abuso pode adiar o diagnóstico de doenças como gastrites e úlceras, tornando o tratamento mais difícil, e até de patologias mais graves, como câncer no estômago.

O Omeprazol também é usado para o alívio dos sintomas de azia e queimação, mas tem efeito mais duradouro do que o sal de frutas. É indicado para tratamento de doenças como gastrite e úlcera, sob orientação médica. Mas tome cuidado, pois o uso indiscriminado pode mascarar sintomas de doenças graves, como tumores gástricos.

A ingestão frequente desses remédios causa no organismo o chamado “efeito rebote”. Isso ocorre quando o corpo se acostuma com o medicamento a ponto de, quando ele não é usado, o sintoma aparecer com mais intensidade.

Por isso, ao invés da automedicação é importante procurar ajuda de um profissional que te indicará o tratamento mais adequado.

Filipe Guerrero Gracia – Osteopata DO MRO Br

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Conta alta
Fatos históricos do dia 31 de maio
Deixe seu comentário
Pode te interessar