Segunda-feira, 15 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
18°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Poupança tem saída recorde de dinheiro em julho e no ano

Compartilhe esta notícia:

Retirada de recursos da tradicional caderneta de poupança coincide com alta de endividamento e inadimplência

Foto: Reprodução
(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

A retirada de recursos da caderneta de poupança superou os depósitos em R$ 12,7 bilhões em julho deste ano, informou nesta quinta-feira (04) o BC (Banco Central). Essa foi a maior saída líquida (diferença entre saques e depósitos) já registrada pelo BC para meses de julho. A série histórica da poupança tem início em janeiro de 1995.

De acordo com a instituição, no mês passado os depósitos somaram R$ 290,4 bilhões. Já as retiradas totalizaram R$ 303,1 bilhões. Já no acumulado dos sete primeiros meses deste ano, ainda segundo o BC, os saques de recursos da tradicional caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 63,2 bilhões.

Esse também é o maior valor da série histórica, ou seja, desde 1995. A cifra supera o recorde anterior registrado em 2016, quando R$ 43,7 bilhões líquidos foram retirados da poupança.

Endividamento e inadimplência em alta

Os saques acontecem em um momento de alta dos juros bancários – os maiores em três anos – e do endividamento das famílias. Segundo dados do BC, o endividamento das famílias com os bancos, em relação à renda acumulada em 12 meses, atingiu 52,2% em março deste ano (último dado disponível).

Em fevereiro de 2020, antes da pandemia da Covid-19, o endividamento das famílias estava em 41,7%. Chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha observou na semana passada que, no trimestre encerrado em abril, o endividamento total das famílias oscilou “ao redor dos maiores níveis da série histórica [que começa em janeiro de 2005]”.

Segundo dados do Serasa Experian, o País tinha 66,6 milhões de inadimplentes em maio, o maior número de devedores desde 2016, quando o levantamento começou. A soma das dívidas chega a R$ 278,3 bilhões, uma média de R$ 4.179,50 por dívida.

Rendimento da poupança

A saída de recursos coincide com a baixa rentabilidade da poupança, que tem perdido para a inflação. Mesmo com a Selic subindo para 13,75% ao ano e com a inflação anual ainda na casa de dois dígitos, a poupança seguirá com o retorno travado em 6,17% ao ano + TR (Taxa Referencial).

Simulações do buscador de investimentos Yubb mostram que diversos investimentos em renda fixa são mais atrativos, com uma rentabilidade líquida (descontada a inflação projetada e o imposto de renda) de até mais de 7% para o período de 12 meses.

Entre as modalidades com maior retorno projetado estão as debêntures incentivadas, que são títulos emitidos por empresas para financiar seus projetos e operações, LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de Crédito do Agronegócio). Todas essas aplicações são isentas do pagamento de imposto de renda (IR).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Câmara dos Deputados aprova projeto que autoriza provas de concurso público à distância
Custos de importação de fertilizantes caem pela primeira vez no ano, aponta consultoria
Deixe seu comentário
Pode te interessar