Quarta-feira, 12 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Light Drizzle

Brasil O presidente da Câmara dos Deputados e o ministro da Economia articulam reduzir a jornada de servidores para cortar gastos

Compartilhe esta notícia:

maiaguedes
A auxiliares, Guedes tem dito que Maia tentou um assalto aos cofres da União e que perdeu a confiança no presidente da Câmara. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reuniram na manhã desta terça-feira (28) com deputados jovens para apresentar uma pauta de austeridade paralela à reforma da Previdência, que inclui projeto de criação de gatilho automático para austeridade e mudança na Lei de Greve.

A equipe econômica entregou a deputados como Felipe Rigoni (PSB-ES), Tabata Amaral (PDT-SP), Enrico Misasi (PV-SP), Paulo Ganime (Novo-RJ) e Kim Kataguiri (DEM-SP), uma lista de 30 projetos para serem distribuídos entre os novatos.

Entre eles está a ideia de ressuscitar um projeto de 2001 que modifica a Lei de Greve e negociação coletiva no serviço público. Segundo o texto apresentado para os parlamentares, a ideia é “regulamentar o exercício do direito de greve”. O texto diz que “cria mecanismos de responsabilização para evitar a interrupção de serviços essenciais”.

Além da lista, Guedes endossou principalmente o projeto de proposta de emenda constitucional do deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), que cria um gatilho automático de austeridade caso haja risco de descumprimento da regra de ouro. As medidas poderiam incluir, por exemplo, a redução de carga horária de funcionários públicos. O texto está pronto para ser votado pelo plenário da Câmara.

Maia afirmou na saída da reunião que essa medida não visa prejudicar servidores. “Está se tratando de reorganizar a regra de ouro, em vez de engessar demais”, afirmou. Ele disse que chamou deputados novos que têm “convergência natural com a agenda de modernização do estado”. Ainda não há definição de quais dos 30 projetos devem tramitar com maior prioridade.

Outras medidas são por exemplo a criação de uma avaliação de desempenho de servidores públicos que pode resultar em demissão daqueles que forem considerados abaixo do critério. Segundo o texto, a ideia é “eventualmente, desligar aqueles que apresentam desempenho insatisfatório”.

O primeiro texto listado pode ser votado na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado nesta semana. É do senador José Serra (PSDB-SP) e estabelece uma avaliação periódica dos incentivos tributários concedidos a organizações sociais. Também são listados projetos que facilitam a contratação temporária, em projeto que teria de ser enviado pelo presidente Jair Bolsonaro, e mudanças no auxílio-funeral e auxílio-moradia.

A aprovação de uma nova lei de licitações, que vem sendo discutida no plenário da Câmara, também é colocada entre as prioridades. Entretanto, com o plenário tomado de Medidas Provisórias enviadas pelo governo e com prazo de votação, deputados têm tido dificuldade de pautar seus projetos.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

A Serra Gaúcha e as Missões estão entre as áreas da Região Sul do País a serem contempladas por um pacote de investimentos do Ministério do Turismo
Em carta, Bolsonaro reitera pedido a senadores para não alterarem MP 870
Deixe seu comentário
Pode te interessar