Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Light Rain with Thunder

Brasil A prisão de Joesley Batista era “flagrantemente aviltante”, disse o juiz que mandou soltar o dono da JBS/Friboi

Compartilhe esta notícia:

O empresário da JBS, Joesley Batista. (Foto: Rovena Rosa/ABr)

O juiz federal de Brasília (DF) Marcus Vinicius Reis Bastos afirmou na decisão desta sexta-feira (9) que determinou a revogação da prisão preventiva do empresário Joesley Batista, do grupo J&F, que a detenção dele era “flagrantemente aviltante”. As informações são da agência de notícias Reuters.

“Estando o requerido encarcerado preventivamente há seis meses, prazo muito superior aos 120 dias previstos para a conclusão de toda a instrução criminal e flagrantemente aviltante ao princípio razoável da duração do processo”, disse o magistrado.

O juiz da 12ª Vara Federal do Distrito Federal também determinou a revogação da detenção de Ricardo Saud, outro executivo da J&F.

Os dois tinham sido presos, em setembro do ano passado, por decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), após manifestação do ex-procurador-geral da Republica Rodrigo Janot em meio ao pedido de rescisão da delação premiada de executivos da J&F.

Janot havia acusado Joesley e Saud de terem omitido informações do acordo de delação premiada. Os executivos da J&F foram responsáveis pelo mais polêmico acordo de colaboração na gestão do ex-procurador-geral, que envolveu diversos políticos e culminou em duas denúncias criminais contra o presidente Michel Temer barradas pela Câmara.

Na decisão, o juiz atendeu a pedido do advogado André Callegari para livrar Joesley e Saud da prisão. Ele lembrou que o procedimento sobre rescisão do acordo de delação continua no STF, mas houve o desmembramento do caso da prisão para a primeira instância por determinação de Edson Fachin.

O magistrado destacou que não há motivos para manter a prisão cautelar. Ele disse que a investigação criminal, diante da colaboração feita e as diligências a partir delas, “não sofre quaisquer inconvenientes, mesmo porque as investigações encontram-se em fase de análise ministerial, sem outras medidas em curso”.

“O requerido tem residência conhecida, ocupação lícita e colabora com as investigações, sem notícias de antecedentes que o desabone, circunstâncias que favorecem o pretendido restabelecimento de sua liberdade”, disse o juiz.

O juiz Marcus Vinicius determinou a retenção do passaporte e proibiu Joesley e Saud de se ausentarem do país, como forma de evitar qualquer risco de fuga.

Há duas semanas, em outro caso, o Superior Tribunal de Justiça (STF) revogou a prisão preventiva de Joesley e do seu irmão, Wesley Batista, no processo a que ambos respondem por uso de informação privilegiada.

Na ocasião, o STJ determinou a adoção de medidas restritivas alternativas à prisão, como o uso de tornozeleira eletrônica. Wesley, que já está em liberdade, não usa a peça por não haver equipamento disponível, mas foi obrigado a comparecer pessoalmente toda semana à Justiça Federal paulista, que tomou a decisão.

 

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Uma ossada descoberta em uma ilha do Pacífico pode esclarecer o misterioso desaparecimento da aviadora Amelia Earhart
O Canadá iniciou negociação com o Mercosul para abertura comercial: O ministro brasileiro da Indústria e Comércio disse que o acordo é bom, após o veto americano ao aço importado do Brasil
Deixe seu comentário
Pode te interessar