Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
29°
Fair

Brasil Procuradoria diz que prefeitos e governadores não podem agir contra isolamento social

Compartilhe esta notícia:

Em nota técnica, Procuradoria dos Direitos do Cidadão afirma a membros do Ministério Público Federal que gestores regionais devem seguir orientações do Ministério da Saúde

Foto: Reprodução
Os governos estão divididos entre garantir a segurança pública e deter o impacto econômico devastador da paralisação de atividades, que em poucas semanas eliminou milhões de empregos. (Foto: Reprodução)

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão encaminhou nesta segunda-feira (06) a membros do MPF (Ministério Público Federal) uma nota técnica com orientações sobre a atuação em relação a medidas em estados e municípios sobre as restrições em atividades não essenciais frente ao novo coronavírus (Covid-19) no Brasil.  O documento sinaliza a procuradores que atuem contra medidas das gestões regionais que furarem o isolamento e desincentivarem a quarentena durante a pandemia.

Segundo a Procuradoria, “os gestores locais não estão autorizados a adotar quaisquer medidas que, de algum modo, causem impacto no isolamento social recomendado pelo Ministério da Saúde e pela OMS [Organização Mundial da Saúde] no contexto de enfrentamento à Covid-19”. “Significa dizer que a eles tampouco é permitido determinar o funcionamento daquilo que não é serviço ou atividade essencial”.

No comunicado – enviado às Procuradorias Regionais dos Direitos do Cidadão nas 27 Unidades Federativas, bem como aos Núcleos de Apoio Operacional nas cinco regiões – a Procuradoria afirma que “o Brasil assumiu internacionalmente o compromisso de que as ações de combate às doenças que ultrapassam fronteiras devam ser centralizadas em órgão federal, no caso, o Ministério da Saúde, por meio de sua Secretaria de Vigilância Sanitária”.

“O compromisso está estabelecido no âmbito do Regulamento Sanitário Internacional, da Organização Mundial da Saúde, documento ao qual o Brasil aderiu em 2005, tendo recentemente promulgado o Decreto 10.212, de 30 de janeiro de 2020, que incorpora as alterações ocorridas na redação do regulamento”, diz a Procuradoria.

A Procuradoria também ressalta “que a Lei 13.979/2020 – compatível com o norte de que o enfrentamento ao novo coronavírus impõe responsabilidades internacionais ao País – atribuiu ao Ministério da Saúde quase que a exclusividade da decisão a respeito das medidas e da ocasião em que devam ser tomadas”.

“Essa mesma lei já dispõe sobre as competências legislativas e executivas dos entes federados, atribuindo-lhes, portanto, antecipadamente, os espaços possíveis de atuação”.

O órgão ainda afirma que “os gestores locais de saúde só estão autorizados a agir com exclusividade, sem autorização do ministro da Saúde, em poucos casos, que são: determinação compulsória de exames, testes, coleta de amostras, vacinação e tratamentos médicos específicos; estudo ou investigação epidemiológica; e requisição de bens e serviços”.

 

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

O Japão tem o pior mês da pandemia de coronavírus, com 268 novos casos por dia, em média
Os Estados Unidos iniciam análise de sangue para detectar pessoas imunes ao coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar