Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
27°
Cloudy

Acontece Rio Grande do Sul é o único estado do Brasil a registrar redução da seca em setembro

Compartilhe esta notícia:

Entre agosto e setembro, o estado foi o único com redução das áreas com seca. (Foto: Divulgação)

De acordo com dados do Monitor de Secas, no Rio Grande do Sul, as chuvas acima da média no setor centro-leste do estado favoreceram a melhora nos indicadores de curto prazo, contribuindo para o recuo da área com seca fraca e a ampliação da área sem seca relativa no estado.

Por outro lado, chuvas abaixo da normalidade no centro-sul do estado favoreceram a expansão da seca moderada nessa área. A linha que corta o Rio Grande do Sul na região central delimita impactos de longo prazo ao norte e de curto e longo prazo ao sul.

Entre agosto e setembro, o estado foi o único com redução das áreas com seca, que caíram levemente de 89,56% para 86,68%. Em termos de severidade, também houve recuo com a diminuição das áreas com seca moderada de 27,47% para 20,49%. Com isso, o estado teve a melhor condição de seca do Sul em setembro.

O Mapa do Monitor de Secas de setembro indica o aumento das áreas com seca em 14 das 19 unidades da Federação acompanhadas. A redução de áreas com o fenômeno aconteceu somente no Rio Grande do Sul. Três estados que passam por forte seca permaneceram com 100% de seus territórios com o fenômeno em setembro: Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. A Bahia se manteve no patamar de 68% de sua área com seca.

A situação de seca mais severa registrada em setembro – seca extrema – aconteceu em Mato Grosso do Sul (24,08% de seu território), Paraná (8,6%) e Minas Gerais (2,92%). Já o estado que registrou as melhores condições foi o Rio Grande o Norte, que teve a menor área com seca (33,54%) e somente na intensidade fraca.

O Monitor realiza o acompanhamento contínuo do grau de severidade das secas no Brasil com base em indicadores do fenômeno e nos impactos causados em curto e/ou longo prazo. Os impactos de curto prazo são para déficits de precipitações recentes até seis meses. Acima desse período, os impactos são de longo prazo. Essa ferramenta vem sendo utilizada para auxiliar a execução de políticas públicas de combate à seca e pode ser acessada tanto pelo site, quanto pelo aplicativo Monitor de Secas, disponível gratuitamente para dispositivos móveis com os sistemas Android e iOS.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Senai-RS estreia na Seletiva WorldSkills
Senai-RS moderniza estrutura e portfólio de cursos
Deixe seu comentário
Pode te interessar