Terça-feira, 31 de Março de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Partly Cloudy

Capa – Caderno 1 Riqueza dos bilionários “encolhe” pela primeira vez desde 2015

Em dólares, o patrimônio líquido dos mais ricos da China caiu 12,8%. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

As pessoas mais ricas do mundo ficaram um pouco menos abastadas no ano passado. Segundo um relatório do banco UBS e da consultoria PwC, turbulências geopolíticas e mercados voláteis de ações reduziram a riqueza dos bilionários pela primeira vez desde 2015.

A riqueza dos bilionários caiu globalmente em US$ 388 bilhões, para US$ 8,539 trilhões, com um declínio particularmente acentuado na China – o segundo país com maior número de bilionários do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos – e na região da Ásia-Pacífico em geral.

Bancos privados, incluindo o maior gestor de patrimônio do mundo, o UBS, sentiram os efeitos das tensões comerciais entre EUA e China e as incertezas políticas globais, com os clientes no ano passado evitando negociar e assumir dívidas para acumular mais dinheiro.

Em dólares, o patrimônio líquido dos mais ricos da China caiu 12,8%, devido às quedas das Bolsas e uma moeda local mais fraca, e à medida que o crescimento da segunda maior economia do mundo perdeu ritmo e caiu para seu menor nível em quase três décadas em 2018.

Apesar da queda, a China continua ganhando um novo bilionário a cada 2 a 2,5 dias, disse no relatório o chefe de clientes ultra-ricos do UBS, Josef Stadler. Em todo o mundo, o número de bilionários caiu em todos os lugares, exceto nas Américas, onde os empreendedores de tecnologia continuaram a aumentar as fileiras dos mais ricos dos Estados Unidos.

“Este relatório mostra a resiliência da economia dos EUA”, onde havia 749 bilionários no final de 2018, disse John Matthews, chefe de gestão de patrimônio privado e negócios de patrimônio líquido ultra-alto do UBS nos Estados Unidos.

Embora a recuperação do mercado de ações depois de uma queda acentuada no final de 2018 tenha ajudado os gestores de patrimônio a aumentar seus ativos, as famílias mais ricas do mundo continuam preocupadas com os assuntos globais, desde as tensões comerciais e o Brexit até o populismo e as mudanças climáticas – continuam a manter mais dos seus recursos em dinheiro vivo.

No Brasil

A riqueza dos bilionários brasileiros conseguiu ter alta mesmo em um cenário adverso para a economia local. Além do baixo crescimento do PIB, o real também se desvalorizou sobremaneira no ano passado. O dólar subiu cerca de 17% durante o ano de 2018, com a moeda americana saindo da casa dos 3,30 reais no fim de 2017 e passando dos 4 reais em vários momentos do ano — parte em virtude da instabilidade gerada pela eleição presidencial, somada à fraca recuperação da economia brasileira. Isso implica que o patrimônio dos bilionários brasileiros cresceu em dólar, moeda padrão usada pelo UBS no comparativo, mesmo com a moeda brasileira desvalorizada.

Também na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou a edição deste ano da Síntese de Indicadores Sociais, com o pior índice de extrema pobreza no país desde 2015. O estudo mostra que, em 2018, 13,5 milhões de brasileiros viviam com menos de 145 reais, situação considerada de extrema pobreza — um contingente de pessoas maior do que a população da Bolívia. A desigualdade de renda no Brasil, isto é, a diferença de ganhos entre os mais ricos e os mais pobres, também vêm crescendo desde 2015.

Na América Latina, patrimônio também caiu

Com a economia da América Latina caminhando a passos lentos, Brasil e Peru foram os únicos países da região, dentre os cinco que tiveram seus dados detalhados no relatório do UBS, em que a riqueza dos bilionários teve alta.

A região, que inclui os países da América do Sul, América Central e México, terminou 2018 com mais bilionários do que em 2017 (97 ante 84 no ano anterior), mas com riqueza acumulada menor. Os bilionários latino-americanos possuíam, ao todo, 371,6 bilhões de dólares em patrimônio em 2018, baixa de 3,7%.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Mulher que acusou Neymar de estupro tem conta bloqueada por estar devendo 58 mil de aluguel
Casos de brasileiros envolvidos em fraudes para obter cidadania se espalham pela Itália
Deixe seu comentário
Pode te interessar