Quinta-feira, 26 de maio de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Ciência Uma sonda da Nasa detectou anomalias dias antes da aproximação de objeto extraplanetário

Compartilhe esta notícia:

O sobrevoo de Ano Novo mapeará a composição superficial e a morfologia do Ultima Thule. (Foto: Nasa/Divulgação)

Há poucos dias do esperado encontro extraplanetário de Ano Novo, uma sonda da Nasa detectou algo muito estranho sobre o alvo pretendido. Antes do encontro com o Ultima Thule, o objeto do Cinturão de Kuiper que se encontra além da órbita de Netuno, a sonda New Horizons não conseguiu detectar as variações previsíveis e consistentes da refletividade que acompanham os corpos celestes em órbita perto de uma estrela brilhante.

“É realmente um enigma”, disse Alan Stern, pesquisador principal da Nasa na New Horizons, citado pelo Gizmodo.

“Por que ele [objeto] tem uma curva de luz tão pequena que nem conseguimos detectá-lo?”, indagou o pesquisador.

Stern e sua equipe estão confiantes de que as imagens obtidas do sobrevoo revelariam a fonte do mistério.

“Esperava que as detalhadas imagens dos sobrevoos nos trouxessem muito mais mistérios, mas eu não esperava isso, e tão cedo”, observou ele.

O veículo de pesquisa espacial New Horizons da Nasa, lançado em 19 de janeiro de 2006, está agora dentro do Cinturão de Kuiper a uns 43 UA (uma UA ou Unidade Astronômica, é a distância entre a Terra e o Sol, de aproximadamente 150 milhões de km) da Terra.

O Cinturão de Kuiper se localiza além dos oito planetas principais do Sistema Solar, começando na órbita de Netuno a cerca de 50 UA do Sol.

O sobrevoo de Ano Novo, a uma distância impressionante de apenas 3.500 quilômetros, mapeará a composição superficial e a morfologia do Ultima Thule, que possui de 25 a 45 quilômetros de largura, além de procurar por coma, anéis ou lupas em órbita.

Diversas teorias sobre a ausência de curvas de luz do KBO foram apresentadas. O cientista de missão do Instituto de Pesquisas Southwest (no Estado americano do Colorado), Marc Buie, sugeriu que o ponto de rotação do objeto poderia atualmente estar alinhado diretamente com a espaçonave da Nasa à medida que se aproxima e, por isso, a nave não seria capaz de detectar as mudanças de brilho à medida que rocha irregular caísse pelo espaço.

“O Ultima [Thule] pode estar rodeado por uma nuvem de poeira que obscurece sua curva de luz, da mesma forma que o coma de um cometa frequentemente oprime a luz refletida por seu centro”, disse o porta-voz do Instituto SETI, Mark Showalter.

Enquanto que a pesquisadora da Universidade de Virgínia, Anne Verbiscer, sugeriu que o objeto poderia estar obstruído por múltiplas pequenas luas, onde cada corpo está produzindo uma discreta curva de luz, criando uma “superposição de curvas de luz”. Por não haver exemplos conhecidos desse tipo de objeto celeste dentro do nosso Sistema Solar, a ideia se torna inviável.

Entretanto, nas mídias sociais surgiu um meme referente ao assunto, dizendo: “Não estou dizendo que são alienígenas, mas…”.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Os brasileiros com mais de 50 anos já representam a maior fatia do mercado consumidor do País. São 54 milhões de pessoas
Cuidador de idosos foi a profissão que mais cresceu no País em 10 anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar