Segunda-feira, 13 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Mist

Saúde Vacina planejada para Mers e Sars vira modelo em pesquisa de imunização contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

DNA sintético é usado para conseguir gerar anticorpos antes de infecção real pelos coronavírus

Foto: Reprodução
Em números absolutos, o Brasil é o segundo país no mundo com o maior número de contaminações. (Foto: Reprodução)

Pesquisadores apostam em uma vacina desenhada com DNA sintético para obter a imunização contra o Sars CoV-2, de acordo com estudo publicado na “Nature Communications” Os cientistas usaram como bases vacinas idealizadas contra o Sars e o Mers – dois vírus da mesma família que causaram epidemias em 2002, na China, e em 2012, no Oriente Médio, respectivamente.

A família coronavírus foi assim batizada devido a uma estrutura em forma de coroa. O espinho –”spike” – é uma proteína responsável por fazer uma ligação com o receptor ACE2 nas células do corpo humano. Quando isso acontece, o coronavírus consegue gerar a infecção e se multiplicar.

Com isso, o sistema imunológico reconhece a estrutura viral com um corpo estranho e um mecanismo é acionado, que gera a produção de anticorpos e outros componentes. Na maioria das vezes, o próprio sistema da pessoa infectada consegue combater o Sars CoV-2. As vacinas tentam “treinar” o nosso organismo para evitar com que o vírus entre nas células antes da chegada de um vírus real. E caso entre, seja capaz de proteger contra evolução da doença.

“Aproximadamente 20% das pessoas têm sinais da doença Covid-19. O problema é que esse número representa muita gente porque o vírus se espalha muito rápido. A única forma de barrar isso é uma vacina ou um tratamento específico”, disse Gustavo Cabral, imunologista que atua na criação de uma vacina no Brasil.

Os projetos de Sars e Mers

A vacina INO-4700 (feita inicialmente contra o Mers) está em testes clínicos, mas apresentou resultados positivos. Camundongos e porquinhos-da-índia receberam uma dose e produziram anticorpos capazes de neutralizar o vírus, assim como outros componentes do sistema imunológico, as células T (linfócitos T). A eficiência contra o Sars CoV-2 em comparação com o Mers é de 96%, e a imunidade contra o vírus é mantida por 60 semanas.

As pesquisas com a INO-4700 estão na fase 2 na Coreia do Sul. Um dos trabalhos com essa tecnologia foi publicado em 2015 com resultados em macacos. Em 2019, foram divulgados os dados da fase 1 com humanos. Uma etapa maior da fase 2 está prevista para começar no Oriente Médio.

“Após a imunização de camundongos e porquinhos-da-índia com INO-4800, medimos as células T específicas para os vírus, anticorpos funcionais que neutralizam a infecção por Sars CoV-2 e bloqueiam a ligação da proteína ACE2. Este conjunto de dados preliminares identifica a INO-4800 como uma potencial candidata à vacina contra a Covid-19”, disseram os autores.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Europa acelera desconfinamento pelo coronavírus entre temores de nova onda na Ásia
Chanceler alemã rejeita convite de Donald Trump para reunião presencial do G7 em Washington por causa da pandemia do coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar