Sábado, 08 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Mostly Cloudy / Wind

Política “Vamos meter o dedo na energia elétrica”, diz Bolsonaro um dia depois de anunciar troca no comando da Petrobras

Compartilhe esta notícia:

Na quinta-feira o presidente havia criticado a Petrobras e dito que algo aconteceria na empresa nos próximos dias

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Na quinta-feira o presidente havia criticado a Petrobras e dito que algo aconteceria na empresa nos próximos dias. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Um dia depois de anunciar a troca no comando da Petrobras, com a indicação do general da reserva Joaquim Silva e Luna para o lugar do atual presidente da empresa, Roberto Castello Branco, o presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores que vai “meter o dedo na energia elétrica”.

“Vamos meter o dedo na energia elétrica, que é outro problema também”, disse neste sábado (20) ao chegar ao Palácio da Alvorada. Na quinta-feira (18) durante transmissão pela internet, Bolsonaro criticou a Petrobras, mas disse que não ia interferir na empresa. Em seguida, no entanto, afirmou que alguma coisa iria acontecer na empresa nos próximos dias.

No dia seguinte, o presidente anunciou em uma rede social a indicação do Silva e Luna para a presidência da estatal no lugar de Castello Branco.

Bolsonaro vinha criticando a política de reajuste dos combustíveis da petroleira e na quinta-feira disse que o último reajuste foi fora da curva. “Teve um aumento, no meu entender, aqui, eu vou criticar, um aumento fora da curva da Petrobras. 10% hoje na gasolina e 15% no diesel. É o quarto reajuste do ano. A bronca vem sempre para cima de mim, só que a Petrobras tem autonomia”, afirmou.

“Eu não posso interferir, nem iria interferir na Petrobras, se bem que alguma coisa vai acontecer na Petrobras nos próximos dias, você tem que mudar alguma coisa, vai acontecer”, disse em transmissão na quinta-feira”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

As regiões gaúchas com bandeira preta só poderão ter aulas presenciais no dia 2 de março
A verba para combate ao trabalho escravo encolhe mais de 40% e é a menor dos últimos dez anos
Deixe seu comentário
Pode te interessar