Sábado, 25 de junho de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
12°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Esporte Veto a russos no torneio de Winbledon é um erro, diz o campeão Djokovic

Compartilhe esta notícia:

Djokovic disse que ainda jogaria em Wimbledon este ano, mas criticou a falta de “comunicação forte” dos organizadores.

Foto: Reprodução/Instagram
Djokovic disse que ainda jogaria em Wimbledon este ano, mas criticou a falta de “comunicação forte” dos organizadores. (Foto: Reprodução/Instagram)

O tenista número um do mundo, Novak Djokovic, avaliou que a decisão da organização de Wimbledon de vetar jogadores russos e belarussos do torneio deste ano após a invasão da Ucrânia pela Rússia é “errada”.

Wimbledon, o terceiro dos quatro Grand Slams do calendário do tênis, é, sem dúvida, o torneio de tênis mais famoso do mundo. Porém, este ano, os torneios profissionais masculinos e femininos, juntamente com a Federação Internacional de Tênis (ITF), optaram por não contar o Grand Slam como parte da pontuação de classificação após a proibição.

“Coletivamente, estou feliz que os jogadores se juntaram e mostraram ao Grand Slam que, quando há um erro acontecendo, temos que mostrar que haverá algumas consequências”, disse Djokovic a repórteres.

O veto aos atletas impedirá que vários jogadores de alto escalão façam parte do Slam de grama.

“Acho que (a proibição de Wimbledon) foi uma decisão errada. Não apoio isso de forma alguma. Mas, nestes momentos, é um assunto delicado e o que você decidir criará muitos conflitos”, acrescentou.

O All England Lawn Tennis Club (AELTC) afirmou em comunicado na sexta-feira (20) que mantém sua decisão. Os organizadores de Wimbledon disseram em abril que russos e belarussos não poderiam competir no torneio deste ano.

Em um comunicado, a AELTC observou que continua “relutante em aceitar que o sucesso ou a participação em Wimbledon sejam usados para beneficiar a máquina de propaganda do regime russo, que, por meio de sua mídia estatal estreitamente controlada, tem um histórico reconhecido de usar o sucesso esportivo para apoiar uma narrativa triunfante ao povo russo”.

Djokovic disse que ainda jogaria em Wimbledon este ano, mas criticou a falta de “comunicação forte” dos organizadores. “É uma situação única e estranha, mas um Grand Slam é um Grand Slam”, afirmou, acrescentando que Wimbledon “sempre foi meu sonho desde criança”.

“Eu não vejo isso pela lente de pontos ou prêmios em dinheiro, mas tem que haver alguns padrões com algum respeito mútuo”, destacou, adicionando que “este é um desses tipos de decisões em que sempre haverá alguém que sofrerá mais. É uma situação de ‘perde-perde’”.

Enquanto isso, a quatro vezes campeã de Grand Slam Naomi Osaka disse que não tem certeza se jogará o torneio este ano, classificando uma competição sem pontos de “como uma exibição”. “A intenção desta medida foi boa, mas a execução está no fundo do poço”, pontuou.

“Eu sinto que se eu jogar Wimbledon sem pontos é mais como uma exibição. Eu sei que isso não é verdade, certo? Mas para o meu cérebro parece assim. Sempre que eu penso que algo é como uma exibição, eu simplesmente não consigo ir com 100% de mim. Ainda nem tomei minha decisão, mas estou mais inclinada a não jogar, dadas as circunstâncias atuais”, acrescentou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Esporte

Brasil tem o menor número de jogadores com gols nas principais ligas europeias desde 2000 e 2001
Em noite de Rodrigo Dourado, Inter goleia time equatoriano por 5 a 1 e avança na Sul-Americana
Deixe seu comentário
Pode te interessar