Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Mostly Cloudy

Política Vice-presidente Hamilton Mourão diz que o presidente da França externou interesses protecionistas ao criticar soja brasileira

Compartilhe esta notícia:

Para Mourão (foto), Macron desconhece produção no país

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Para Mourão (foto), Macron desconhece produção no país. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quarta-feira (13) que o presidente da França, Emmanuel Macron, desconhece a produção de soja no Brasil e que as críticas feitas por ele externaram “interesses políticos de agricultores franceses”.

Na terça-feira (12), em mensagem em uma rede social, Macron disse que “continuar dependendo da soja brasileira é endossar o desmatamento da Amazônia”. Ele defendeu coerência nas “ambições ecológicas” e declarou que “quando importamos a soja produzida a um ritmo rápido a partir da floresta destruída no Brasil, nós não somos coerentes”. Mourão afirmou que a presença de soja na Amazônia “é ínfima”, mas que a capacidade de produção brasileira é “imbatível.”

“Monsieur Macron ne pas bien (o senhor Macron não está bem, em tradução literal)”, disse Mourão, em francês. “Macron desconhece a produção de soja do Brasil. Nossa produção de soja é feita no cerrado ou no sul do país”, afirmou o vice-presidente.

“Então, eu acho que nada mais, nada menos, [Macron] externou aí aqueles interesses protecionistas dos agricultores franceses. Faz parte do jogo político”, completou. Na fala, o presidente francês não apresentou dados que corroborem com suas declarações.

“A produção agrícola na Amazônia é ínfima. Por outro lado, a nossa capacidade de produção ela é imbatível, vamos colocar assim. Nossa competição nesse ramo aí está muito acima dos demais concorrentes”, concluiu Mourão.

Macron tem dado declarações públicas de descontentamento com a política ambiental brasileira desde meados de 2019, quando as imagens das queimadas na Amazônia correram o mundo e aumentaram a pressão sobre o governo do Brasil em um momento em que a União Europeia negocia um acordo comercial com o Mercosul.

No auge da crise ambiental na região amazônica, Macron se desentendeu com o presidente Jair Bolsonaro, e os dois trocaram acusações públicas. O francês chamou as queimadas que ocorriam no país de “crise global” e disse que os países integrantes do G7 deveriam debater, com urgência, a questão. Em resposta, o brasileiro afirmou que o posicionamento de Macron evocava “mentalidade colonialista descabida no século 21”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Mundo tem maior número diário de mortes por coronavírus desde o início da pandemia
Ministro da Saúde diz que a vacinação no Brasil começa em janeiro; avião buscará 2 milhões de doses na Índia
Deixe seu comentário
Pode te interessar