Últimas Notícias > Atividades Empresariais > Governo alemão entrega pesquisa sobre sistemas construtivos com uso de alta tecnologia à empresa brasileira

A imprensa argentina detonou a seleção de Messi após a derrota para a Venezuela

A seleção da Argentina contou com a presença de Lionel Messi pela primeira vez após a Copa do Mundo da Rússia. (Foto: Reprodução)

A derrota de 3 a 1 para a Venezuela, como era de se esperar, não pegou nada bem na Argentina. Neste sábado (23), os jornais do país detonaram a exibição da Albiceleste, que contava com o retorno de Lionel Messi pela primeira vez após a Copa do Mundo da Rússia.

Famoso por capas polêmicas, o diário Olé fez um trocadilho com o nome de Wanda Nara, esposa do atacante Icardi (não convocado) e ex-mulher do vascaíno Maxi López.

“Wanda Nada”, escreveu a publicação, fazendo alusão ao nome do estádio do Atlético de Madrid (Wanda Metropolitano), palco do réves argentino na última sexta-feira. O jornal, entretanto, livrou a cara de Messi, dizendo que ele teve uma boa atuação.

“Outro papelão da seleção”, publicou o Diário Cronica, ressaltando que a exibição deixa muitas dúvidas para o desempenho da equipe do técnico Leoni Scaloni na Copa América, no Brasil, em junho. “Vamos para atrás”, escreveu o Diario Popular. Já o Clarín, sentenciou: “Messi voltou, mas a seleção segue perdida.

Cargo à disposição

Mesmo com a vitória surpreendente diante da Argentina na volta de Lionel Messi em amistoso, Rafael Dudamel, treinador da seleção venezuelana, pode deixar o cargo após a partida contra a Catalunha, programada para esta segunda-feira (25).

O ex-goleiro de 46 anos não gostou de uma visita que o time recebeu antes do embate contra os argentinos e colocou o posto à disposição. Na oportunidade, Antonio Ecarri, embaixador designado por Juan Guaidó na Espanha, foi ao vestiário da Venezuela. O gesto foi visto como uma tentativa de “politizar” a seleção venezuelana de futebol em meio ao caos vivido no país.

Guaidó liderou a oposição ao presidente Nicolás Maduro e se autoproclamou chefe interino do executivo no final de janeiro. A partir desse momento, a crise política e social da Venezuela se agravou. Esse foi o motivo da reprovação da visita por parte de Dudamel.

“Recebemos a visita do embaixador de Guaidó na Espanha e isso foi politizado de maneira lamentável. Atendemos os embaixadores do governo de Maduro e hoje recebemos Ecarri de maneira gentil e respeitosa, mas infelizmente politizaram a visita, tornando-a antiética e desrespeitosa, uma experiência desagradável utilizada de forma muito pobre. Nós vivemos em águas turvas porque estamos sendo politizados. Agora vou sentar para conversar, friamente, com os dirigentes, dentro da minha decisão e posição”, disse.

Dudamel também se envolveu em uma confusão política em 2017, quando comandava a seleção sub-20 do país. Na ocasião, após classificar o time às finais do Mundial da categoria, o treinador criticou Maduro em rede nacional. “Presidente, vamos recolher as armas. Hoje um garoto de 17 anos nos deu alegrias, mas ontem morreu um da mesma idade nas ruas. Esses garotos que vão às ruas querem uma Venezuela melhor”, argumentou o técnico na época.

Deixe seu comentário: