Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 12 de novembro

A Samsung pode juntar o Galaxy S e o Galaxy Note em uma única família de celulares

Galaxy Note (foto) pode ser fundido com o Galaxy S. (Foto: Reprodução)

A cada ano fica difícil definir a fronteira entre as duas famílias de aparelhos topo de linha da Samsung, a Galaxy S e a Galaxy Note. Aparentemente, a fabricante coreana também chegou a essa conclusão e pode estar preparando para fundir as duas famílias sob um único nome, Galaxy One. A informação é do jornalista Evan Blass, conhecido por vazamentos das fabricantes de celular.

Evan diz que a discussão ainda está em estágio inicial, mas que é possível que em vez de a empresa lançar o Galaxy S11, no primeiro semestre de 2020, a empresa anunciaria o Galaxy One. A mudança, porém, pode estar atrelado ao Galaxy Fold, celular de tela dobrável que, depois de diversos percalços, conseguiu ser lançado comercialmente. No novo portfólio, o Fold seria a grande atração do segundo semestre, papel que hoje é do Galaxy Note.

Ainda não é possível saber se o Galaxy One manteria o suporte a caneta stylus. Além do acessório, a linha Galaxy Note se diferenciava do Galaxy S por ter a tela maior. Mas isso não ocorre mais graças à complexidade do atual portfólio da fabricante. O Galaxy S10 Plus, uma das três variantes da atual família S, tem painel maior do que a menor variante da família Note 10: 6,4 polegadas contra 6,3 polegadas.

O lançamento de uma nova família de celulares após o crescimento da complexidade do portfólio seguiria também o padrão da Samsung. Neste ano, após ter duas linhas intermediárias, a J e a A, crescendo ao ponto de criarem confusão para o consumidor, a Samsung aposentou a linha J e renovou apenas a linha A. A fabricante não comentou a notícia.

No Brasil

A Samsung anunciou recentemente a chegada ao País do Galaxy Note 10 – o aparelho havia sido anunciado no mês passado em evento em Nova York. A família chegará por preços entre R$ 5,3 mil e R$ 6,8 mil.

Serão 2 modelos e três configurações disponíveis: o Galaxy Note 10 com 8 GB de memória e 256 GB de armazenamento (R$ 5,3 mil) e o Note 10+ com 12 GB de memória e 256 GB de armazenamento (R$ 6 mil) ou com 12 GB de memória e 512 GB de armazenamento (R$ 6,8 mil). O modelo menor não tem suporte a cartão microSD.

A pré-venda vai até esta quinta-feira (19) – o aparelho chega às lojas na sexta (20). Quem comprar nesse período, ganha um carregador duplo sem fio e um relógio Galaxy Watch Active.

Os dois celulares terão tela infinita de Amoled, com um furo na tela para a câmera de selfie, que ficará no centro do aparelho – o visual é bem parecido com o do Galaxy S 10. Com, 6,8 polegadas, o Note 10+ é o celular da Samsung com a maior tela – a título de comparação, o S10 tem tela de 6,1 polegadas e o S10+ oferece um visor de 6,4 polegadas. O iPhone XS Plus Max tem tela de 6,5 polegadas. A tela do Note 10+ tem resolução Quad HD+ (3.040 x 1.440 pixels), enquanto o Note 10, que tem tela de 6,3 polegadas é Full HD+ (2.280 x 1.080).